BATMAN BEGINS – ADAPTAÇÃO OFICIAL DO FILME

Por André Craveiro
Data: 1 dezembro, 2011

BATMAN BEGINS - ADAPTAÇÃO OFICIAL DO FILME

Editora: Panini Comics – Edição especial

Autores: Scott Beatty (roteiro), Kilian Plunkett (desenhos), Serge Lapointe (arte-final) e José Villarrubia (cores) – Originalmente publicado em Batman Begins – The Official Movie Adaptation, em 2005.

Preço: R$ 6,90

Número de páginas: 64

Data de lançamento: Junho de 2005

 

Sinopse

Depois do terrível incidente que causou a morte de seus pais, um desiludido Bruce Wayne (retratado como o ator Christian Bale) viaja pelo mundo procurando meios para combater a injustiça e usar o medo contra os criminosos que aterrorizam a humanidade.

Após anos de árduo treinamento no Oriente e investigando a fraternidade criminal ao redor do planeta, o herdeiro milionário retorna a Gotham City, onde cria seu alter ego: o temível Batman, um herói mascarado que usa a força, a inteligência e todo o aparato tecnológico à sua disposição para acabar com o mal que assola as ruas.

Contando com o inseparável auxílio de seu fiel confidente e mordomo Alfred (Michael Caine) e de Lucius Fox (Morgan Freeman), seu braço direito nas Indústrias Wayne, Bruce Wayne/Batman enfrentará inimigos que há muito apavoram seu lar. Além disso, encarará o retorno de alguém muito mais poderoso e perigoso.

Positivo/Negativo

Quando algum filme de sucesso é lançado, logo a mesma história é transposta para outras mídias. Isso acontece bastante no gênero heroico. Livros, games e quadrinhos formam o triunvirato de maior aceitação para “recontar”, com outra estética e estilo narrativo, aquilo visto nas telonas.

Com Batman Begins não foi diferente: uma novelização assinada pelo escritor Dennis O’Neil, três romances dando sequência à trama do filme (intitulados Dead White, Inferno e Fear Itself) e um game multiplataforma desenvolvido pela Eurocom – empresa que vem se especializando em jogos licenciados de grandes filmes e animações.

E, claro, houve a versão em quadrinhos.

Normalmente, espera-se que a quadrinização de algum filme – não entrando no mérito deste “ciclo” desnecessário de HQs que são levadas aos cinemas, no qual tais adaptações voltam à sua mídia original – traga algumas cenas inéditas, momentos que não foram mostrados na película, como se fosse uma versão estendida.

Esses pontos extras, no entanto, não existem aqui. No máximo, ligeiras cenas foram alteradas da sua concepção cinematográfica, alguns pequenos diálogos foram inseridos ou trocados de lugar (com direito a spoilers fora de hora), mas isso é o máximo que a edição apresenta.

De fato, é uma adaptação oficial que não acrescenta quase nada ao filme.

A própria definição de “adaptação” pode ser considerada errônea. Não há um trabalho de adequação do roteiro original de David S. Goyer para as páginas em quadrinhos, praticamente sendo uma transcrição quase fiel do enredo.

O que resta é uma versão menor do que foi visto no excelente filme dirigido por Christopher Nolan, que deu início à nova franquia de filmes do Morcego.

Os desenhos de Plunkett preferem seguir uma estilo mais libertário nas fisionomias dos atores, ainda que trabalhe esse aspecto com exatidão em várias partes, garantindo bons resultados.

Mas nem isso ajuda a criar uma narrativa mais solta e coerente – aspectos estes inexistentes ante a preferência em mostrar as principais cenas da película, tal qual foram vistas pelos expectadores, quebrando o ritmo normal da leitura.

Duas delas servem como exemplos perfeitos: a primeira aparição do herói com a subsequente prisão de Falcone e o primeiro encontro entre Batman e Espantalho, no Narrows. Ambas ocupam uma única página, suprimindo vários momentos, como tantos outros que ficaram de fora.

Houve até mesmo espaço para uma pequena brincadeira em homenagem ao seriado humorístico dos anos 1960, no diálogo final entre Bruce e Alfred enquanto estavam nos destroços da mansão.

No fim de tudo, restou apenas um souvenir propagandista do filme para leitores e colecionadores mais fanáticos pela nova encarnação do Batman nos cinemas.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.