BATMAN MANGÁ – VOLUME 2 # 2

Por André Craveiro
Data: 1 dezembro, 2011

BATMAN MANGÁ - VOLUME 2 # 2

Editora: Mythos – Minissérie em duas edições

Autores: Kia Asamiya (roteiro, desenhos e capa) e Alexandre Jubran (colorização da capa) – Originalmente publicado em Batman – Child of Dreams – Volume 2, em 2001.

Preço: R$ 5,50

Número de páginas: 80

Data de lançamento: Julho de 2002

 

Sinopse

Em sua investigação, Batman confirma todas as suas pistas acerca da Droga dos Sonhos: a produção e o uso deliberado do narcótico apontam suas origens para o conglomerado chefiado por Kenji Tomioka.

Quando descobre conexões do falecido Nagai com empresas subsidiárias da Farmacêutica Tomioka, suas buscas são interrompidas por um surpreendente obstáculo: a Mulher-Gato, ou mais uma vítima da perigosa droga que pensa e age como a vilã.

Mas o pior ainda virá do confronto com o mentor por trás de tudo: uma mente louca que não estará satisfeita enquanto não possuir o verdadeiro encapuzado em sua monstruosa coleção de réplicas e apetrechos do Cavaleiro das Trevas e, assim, tornar-se o novo Batman.

Positivo/Negativo

Se o que fizeram falta na edição anterior foram cenas de ação, nada como começar esta última parte tratando de retificar tais omissões, com excelentes tomadas de luta e agilidades físicas entre Batman e a falsa Mulher-Gato nos céus noturnos de Tóquio.

Novamente Asamiya premia as páginas com uma arte veloz. Como bem frisado pelo editor Fernando Bertacchini em uma de suas perguntas na continuação da entrevista com o autor, seu traço é um verdadeiro espetáculo visual no estilo dos mangás, limitando os textos ao suficiente para melhor estabelecer o traçado dos personagens e delinear a narrativa apurada.

De fato, o roteiro melhora sobremaneira. Todas as explicações são expostas até a metade da edição, gerando uma motivação doentia para o vilão principal, interessantemente bem elaborada para os acontecimentos pregressos e deixando espaço de sobra para o confronto final.

Até mesmo o nome da droga mais potente, Fanatismo, serve de analogia para a ânsia do antagonista em sua sanha de querer ser não só como o Batman, mas em futuramente substituir o próprio e assumir seu legado no combate ao crime.

Outro destaque da trama apareceu de forma modesta, mas com estilo: o design arrebatador do batmóvel, ostentando contornos aperfeiçoados e inspirados no visual estabelecido por Anton Furst para os filmes Batman (1989) e Batman – O retorno (1992), que até então, nas duas minisséries, somente tinha aparecido em meios às sombras.

BATMAN MANGÁ - ENCADERNADO

Posteriormente, em 2003, uma versão encadernada de encalhes, com mais de 300 páginas e coletando os Volumes 1 e 2 desta versão de Kia Asamiya, saiu pela mesma Mythos.

Apenas como curiosidade sobre o assunto, esta não foi a única história em quadrinhos em versão mangá protagonizada pelo Morcego. Houve outras, a saber:

Batman – Death Mask (minissérie escrita e desenhada por Yoshinori Natsume, em 2008), A Terceira Máscara (história curta produzida pelo renomado mangaká Katsuhiro Otomo, criador de Akira, para a coletânea Batman – Preto e Branco – Volume 1, republicada pela Panini em 2008 na forma de encadernado) e Bat-Manga! The Secret History of Batman in Japan (de autoria de Jiro Kuwata, inspirado na versão cômica do seriado da década de 1960).

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.