Blacksad # 1

Por Zé Oliboni
Data: 18 agosto, 2006

Blacksad # 1Editora: Panini Comics – Revista bimestral

Autores: Juan Díaz Canales (roteiro) e Juanjo Guarnido (arte).

Preço: R$ 13,90

Número de páginas: 40

Data de lançamento: Agosto de 2006

Sinopse

Se a curiosidade matou o gato, então alguém deveria avisar John Blacksad do quão sortudo ele é por ainda não estar com os pés esticados dentro de um caixão de pinho.

Como investigador particular, ele entra de cabeça na sujeira e nas sombras das ruas da selva de concreto conhecida como Nova York para solucionar seus casos. Assassinatos misteriosos, crimes que parecem insolúveis e situações de extrema violência fazem parte do dia-a-dia de Blacksad.

Nada escapa ao seu olhar e ninguém consegue se esconder por muito tempo desta pantera negra trajando um surrado sobretudo.

Positivo/Negativo

Se você é fã de histórias policiais, esta é uma revista indispensável. Se nunca deu muita bola para o gênero, ela com certeza seria um ótimo começo. Talvez o principal conselho seja: não tenha preconceitos.

Quem ouve a história, sobre uma trama em que os personagens são animais vivendo numa sociedade como a nossa, pode achar que se trata de algo da Disney. Esse é o maior erro que se pode cometer.

A idéia de usar animais antropomorfizados ajuda a inserir muitas características psicológicas em cada coadjuvante sem precisar de extensas explicações.

Já nesta primeira edição a revista define muito bem o protagonista, o cenário e mostra a que veio. Blacksad vive em um mundo cheio de violência, sexo, corrupção e todos os pecados que se pode imaginar. Para sobreviver, ele segue o estilo durão com coração de ouro, possui um forte senso de justiça, mas está longe de ser um santinho.

A trama pode até não ser extremamente sofisticada, mas sua riqueza de detalhes e sua estrutura narrativa envolvente garantem uma grande história. O leitor acompanha atento o que se passa na mente de Blacksad, segue sua narração num clima quase de filme noir e sente cada golpe que ele leva ou dá.

E tudo com um desenho sem igual. Guarnido tem um estilo que muitas vezes lembra Will Eisner. A riqueza de detalhes, seu trabalho sem igual nas expressões faciais e no movimento das cenas deixa qualquer um impressionado.

Cada animal é cuidadosamente retratado. Suas faces são desenhadas de uma forma simples, mas transmitindo muitas emoções. É o tipo de arte que desperta no leitor o desejo de poder fazer igual. Além disso, as cores estão ótimas.

Classificação

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.