Calvin e Haroldo – As tiras de domingo – 1985-1995

Por Renato Félix
Data: 23 fevereiro, 2015

Calvin e Haroldo – As tiras de domingo – 1985-1995Editora: Conrad – Edição especial

Autor: Bill Watterson (roteiro e desenhos) – Originalmente em Calvin and Hobbes: Sunday Pages, 1985-1995.

Preço: R$ 47,00

Número de páginas: 96

Data de lançamento: 2014

Sinopse

Compilação de tiras dominicais de Calvin e Haroldo, selecionadas do início ao fim da série.

Positivo/Negativo

A Conrad concluiu a publicação brasileira das tiras de Calvin e Haroldo e também republicou um extra que já havia saído por aqui: O Livro do Décimo Aniversário, compilação lançada antes do fim da série.

Agora, a editora avança por outros álbuns extras até então inéditos no País.

É o caso deste As Tiras de Domingo, que – como aponta a capa – é um catálogo de exposição. O álbum reúne o material de uma mostra de originais de Bill Watterson na Biblioteca de Pesquisa de Quadrinhos e Cartuns da Universidade Estadual de Ohio.

Além das tiras finalizadas, o livro traz, ao lado de cada uma, sua versão ainda a nanquim, um passeio pela “intimidade” de Calvin e Haroldo que os álbuns anteriores não apresentam.

Todas as tiras, evidentemente, já saíram nos álbuns anteriores, mas algumas das mais antigas estão sendo publicadas pela primeira vez em cores no Brasil e no formato original do desenho, horizontal.

Isso porque os primeiros livros da série, quadrados, são totalmente em preto e branco e rearranjam as tiras dominicais. Exatamente como aconteceu com os editores de jornal, que tinham liberdade para alterar esteticamente o trabalho de Watterson. Isso envolveu o autor em uma das suas maiores lutas no período em que publicou a tira.

O próprio Bill Watterson explica, no álbum: poder usar todo o espaço disponível da tira e não ficar adequando o desenho à possibilidade dos editores de jornal mudarem o formato dos quadros ou mesmo descartarem os dois iniciais.

Como em O Livro do Décimo Aniversário, este volume traz comentários do autor para quase todas as tiras, além de um longa introdução – que toma sete páginas – em que ele reflete sobre seu trabalho.

Segundo o texto do próprio Watterson, era a primeira vez que fazia isso desde que tinha encerrado Calvin e Haroldo: rever seu trabalho e pensar sobre ele. A exposição aconteceu em 2001, seis anos após o fim da tira e foi ele quem escolheu pessoalmente as tiras que seriam expostas – e que compuseram a edição.

O passeio pelas tiras também é um bom resumo do desenvolvimento de Watterson como roteirista e desenhista. É visível como ele vai ajustando os personagens, trabalhando ideias e como seu desenho vai ficando mais elaborado. Como adendo, pela primeira vez as tiras vêm com a data de sua publicação original.

A partir do momento em que o autor conseguiu o que queria (o uso completo e sem limites de seu espaço dominical), Calvin e Haroldo chegou ao seu máximo. Watterson passou a ousar cada vez mais nos layouts, no uso das cores, nos cenários e até, por oposição, trabalhar com a simplicidade.

É quando Calvin e Haroldo entra de vez para a História das histórias em quadrinhos.

Classificação

5,0

• Outros artigos escritos por

.