CAPITÃO AMÉRICA – MORRE UMA LENDA # 2

Por Zé Oliboni
Data: 1 dezembro, 2008


Autores: Jeph Loeb (roteiro), John Romita Jr., David Finch e John Cassaday (desenhos).

Preço: R$ 5,90

Número de páginas: 48

Data de lançamento: Abril de 2008

Sinopse: O Gavião Arqueiro está de volta e Tony Stark acha que ele pode ser um substituto à altura para o Capitão América.

Enquanto isso, visitando o cemitério onde seu tio e seus pais estão enterrados, o Homem-Aranha encara o Rino.

E ainda: o funeral de Steve Rogers.

Positivo/Negativo: Com o fechamento da minissérie, a questão de tratar-se de uma revista “caça-níquel” fica bem clara. Uma história piegas, que não acrescenta nada, feita na esteira de um mega-evento e desenhada por artistas com uma reconhecida e merecida legião de fãs. Comercialmente não tem como errar. Já a qualidade do material é outra questão.

Os próprios desenhistas devem ter sentido que não estavam estão fazendo algo memorável. Muito pelo contrário, pois beira ao execrável. Tirando David Finch, com seu estilo detalhista, Romita Jr. e Cassaday estão muito aquém da qualidade do que costumam produzir.

No caso de Romita Jr., parece que ele pouco se esforçou para trabalhar o rosto dos personagens e que sua estilização não está tão eficiente. Fora isso, a arte-final eliminou muito da firmeza de seu traço. E como as cores também não ajudaram muito, o conjunto da arte ficou prejudicado.

Já Cassaday nem teve tanto trabalho. Ele foi incumbido de fazer a parte final, na qual ocorre o funeral do Capitão América, e boa parte da história consiste em painéis e páginas duplas homenageando pontos da carreira do herói. As imagens são ótimas, claro, mas parece mais uma “revista-pôster” do que uma HQ.

A trama manteve o clichê dos cinco estágios do luto, representando aqui a barganha, a depressão e, finalmente, a aceitação. A única parte interessante é a primeira, que conta com a presença do Gavião Arqueiro e a tentativa de Stark de convencê-lo a ser o novo Capitão América.

Desde que o Gavião foi ressuscitado, na Dinastia M, e apareceu na belíssima HQ publicada em Os Novos Vingadores # 48, o destino do personagem tem sido um mistério. Já de cara, quando começa a história, qualquer um sabe que ele não irá assumir o manto do Capitão. Mas, mesmo assim, é divertido vê-lo em ação novamente, ainda mais discutindo com algum herói, a marca registrada dele.

A segunda parte da revista supera todos os níveis de falta de originalidade. Afinal, obviamente, quando se pensa em depressão, o primeiro personagem que vem à mente é o Homem-Aranha e seus constantes pensamentos em torno dos entes queridos que faleceram e o quanto ele não é bom o suficiente.

O final é uma seqüência de discursos e memórias sobre o herói. No geral, a revista realmente não vale a pena.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.