CAPITÃO AMÉRICA & OS VINGADORES SECRETOS # 8

Por Lielson Zeni
Data: 1 dezembro, 2012

CAPITÃO AMÉRICA & OS VINGADORES SECRETOS # 8

Editora: Panini Comics – Revista mensal

Olhos do dragão (Secret Avengers # 8) – Ed Brubaker (roteiro), Mike Deodato (arte) e Rain Beredo (cor);

O julgamento do Capitão América (Captain America # 613) – Ed Brubaker (roteiro), Butch Guice (desenho), Stefano Gaudiano e Butch Guice com Rick Magyar (arte-final) e Bettie Breitweiser e Frank Martin (cor);

Guerreiros secretos (Secret Warriors # 24) – Jonathan Hickman (roteiro), Alessandro Vitti e David Marquez (arte) e Imaginary Friends Studio (cor).

Preço: R$ 6,50

Número de páginas: 72

Data de lançamento: Fevereiro de 2012

 

Sinopse

Os olhos do dragão – Max Fury e John Steele preparam uma armadilha para os Vingadores Secretos.

O julgamento do Capitão América – Enquanto Steve Rogers negocia a colaboração de Doutor Faustus no julgamento de Bucky Barnes, Pecado e Grande Mestre entregam mais uma prova contra o Capitão América.

Guerreiros secretos – Acompanhe a formação da equipe cinza dos Guerreiros Secretos, liderada pelo filho de Nick Fury, Mikel.

Positivo/Negativo

Esta é uma revista em que todas as séries têm modelos narrativos muito claros e rigidamente respeitados. Por outro lado, as artes ganham alguma liberdade, mas dentro dos modelos clássicos de super-herói.

As três séries que compõem este mix operam com tramas de conspiração, espionagem, vilões que querem conquistar o mundo, um grupo bem intencionado que resolve impedi-los e muita ação.

Dentro desse estilo, os títulos acabam por tomar, vez por outra, alguns caminhos que os diferenciam, mas sem dispensar outras estruturas dramáticas.

Na aventura que abre a revista, os Vingadores Secretos estão em combate o tempo todo. O roteiro de Ed Brubaker busca algumas razões para que a luta exista e larga tudo na talentosa arte de Mike Deodato, que tem uma diagramação de páginas invejável para cenas de ação.

Brubaker também resolve um problema antigo da Marvel com essa história. Note o leitor que todos os personagens se referem ao “pai de Shang-Chi” e o Fera descobre um nome verdadeiro para ele no meio da trama. Leitores mais antigos lembrarão que o pai do herói é Fu Manchu. Ou era.

A Marvel perdeu o direito de uso do personagem ainda na década de 1980, e como ele ainda não está em domínio público, não pode mais utilizá-lo. Nas aventuras do Mestre do Kung Fu, o pai de Shang-Chi aparecia na sombra e seu nome não era citado. Aqui, além do novo nome, é provável que a Brubaker arranje outro corpo para o personagem.

Na história seguinte, Brubaker investe no gênero investigação de tribunal e arrolação de testemunhas. O trabalho de desenhos e cores é muito bom, principalmente nas cenas com a personagem Pecado. Há várias citações ao estilo Jim Steranko de tracejar.

A página final e a do sonho da Pecado são excelentes. No restante, a arte naturalista é também bonita, embora seja mais discreta.

Encerra a edição os Guerreiros Secretos, com o modelo narrativo de recrutamento. A história é um grande flashback que apresenta o começo da equipe cinza.

A narrativa se interrompe com o retorno ao presente e um gancho para a próxima edição. Exatamente como as duas HQs anteriores. Que é o modelo narrativo do folhetim do século 19.

 

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.