Captain America Omnibus

Por Thiago Rique
Data: 18 fevereiro, 2011

Captain America OmnibusEditora: Marvel Comics – Edição especial

Autores: Ed Brubaker (roteiro) e Steve Epting, Mike Perkins, Michael Lark, Marcos Martin e Lee Weeks (desenhos) e Frank D’Amarta, Javier Rodrigues e Matt Milla (cores).

Preço: US$ 74,99

Número de páginas: 744

Data de lançamento: Outubro de 2007

Sinopse

Steve Rogers, o Capitão América, descobre um extenso plano do Caveira Vermelha para se apoderar de um novo cubo cósmico.

Os eventos deflagrados no confronto entre ambos alterarão para sempre a vida do Sentinela da Liberdade e de seus amigos, inclusive trazendo chocantes revelações sobre o destino de seu mais querido companheiro.

Positivo/Negativo

Depois de uma década amargando fases sofríveis, a vida editorial do Capitão América mudou em 2005, quando Ed Brubaker assumiu o título com uma proposta quase herética por parte do editor-chefe Joe Quesada: trazer de volta um dos mais importantes personagens da mitologia Marvel “com uma boa história”, justificativa primeira de praticamente todas as pífias ressurreições de personagens nas HQs.

Mas Brubaker é um escritor gabaritado e não apenas cumpriu a missão designada, como foi responsável pelo desenvolvimento da trama da morte do Capitão. Além disso, com mais de 40 edições e quatro anos à frente do personagem, trouxe o personagem de volta às luzes dos “respeitáveis” heróis dos quadrinhos e forjou uma trama longa, porém bem amarrada, que levou a vida da Sentinela da Liberdade a novos rumos de forma coerente e sagaz.

Este omnibus reúne nada menos que 26 edições, as primeiras da fase Brubaker/Epting, incluindo o especial Winter Soldier, Winter Kills e comemorativa de 65 anos do Capitão América. São dois anos de publicação compilados em 744 páginas da mais alta qualidade de texto e arte.

Tecnicamente, a edição é primorosa, com capa dura com impressão em hotstamp, papel couché no miolo e 74 páginas só de extras, com entrevistas de Brubaker ao Marvel Spotlight, galeria com artigos publicados nas principais mídias norte-americanas na época da morte do personagem, capas e vários desenhos de Epting mostrando o desenvolvimento visual do Soldado Invernal e outros personagens etc.

Esse material acaba sendo um atrativo a mais para conferir novamente certas passagens e eventos munidos de novas informações sobre como os criadores chegaram a esta ou aquela resolução.

Mas o que diferencia mesmo esta enorme compilação é a qualidade das histórias. Elas funcionam maravilhosamente quando reunidas num único volume, tal como um grande livro ou novela de espionagem, ainda que o final fique em aberto.

Focando em antigos segredos de estados, conspirações internacionais e explorando o passado militar do Capitão América, Brubaker é vitorioso ao tecer uma abordagem do personagem sem ser piegas ou cair no patriotismo ufanista.

Infelizmente, a narrativa destoa quando o roteirista precisa citar ou adaptar alguma situação ao status do universo Marvel e aos vários eventos anuais nos quais os seus personagens se envolvem. Como a edição não contém notas explicativas, leitores novatos podem se perder um pouco.

Assim, enquanto vemos Nick Fury ativo como chefe da S.H.I.E.L.D. durante os primeiros números, subitamente Maria Hill aparece como cabeça da organização após o final do arco do Soldado Invernal e o leitor é apenas informado sobre sua saída (durante a saga Guerra Secreta). O mesmo vale para quando Sharon Carter, namorada do Capitão América, cita os Novos Vingadores.

Por sorte, um dos elementos mais atrativos da revista é o fato de o autor centrar bastante seus eventos dentro de suas páginas, o que torna tais episódios bem esparsos.

Mas são apenas ruídos esporádicos na grande sinfonia de Brubaker e Epting, pela qual desfilam todos os personagens, organizações e artefatos, que fizeram a história do herói durante seus 70 anos: Union Jack e Spitfire, os Invasores, a I.M.A., o cubo cósmico, o Falcão, Nick Fury, Sharon Carter, Ossos-Cruzados, Nômade e claro, o Caveira Vermelha e Bucky.

Todos concatenados numa extensa trama na qual se encontra a solução para a crise na qualidade dos quadrinhos de super-heróis da atualidade: equipes criativas competentes, comprometidas com seus projetos e em contar boas histórias centradas nos personagens, em vez de eventos focados em todos e, ao mesmo tempo, em nenhum.

Ainda que o falecimento do personagem apareça ligada à saga Guerra Civil, vemos seus eventos sendo construídos desde o primeiro número da edição e desenvolvidos pelos próximos, ficando a sensação de soar menos falso e comercial que a maioria das outras “mortes” no meio.

A despeito do alto preço e de já ser difícil de ser encontrada nos leilões e lojas nos Estados Unidos, este omnibus é um bom exemplo de qualidade associada a primor gráfico. Indispensável na estante de qualquer amante de boas HQs ou apenas de boas histórias.

Classificação

5,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.