Chico & Rita

Por Milena Azevedo
Data: 21 agosto, 2013

Chico & RitaEditora: Self Made Hero – Edição especial

Autores: Fernando Trueba e Ignacio Martinez de Pisón (roteiro), Javier Mariscal (arte e cor) – Adaptação do longa animado homônimo.

Preço: US$ 24,95

Número de páginas: 216

Data de lançamento: Maio de 2011

Sinopse

Chico é um jovem pianista com grandes sonhos. Rita é uma bela cantora, com uma voz extraordinária. Eles se enamoram, mas seus temperamentos explosivos impedem que repitam, no amor, o mesmo sucesso que conquistaram com a música.

Positivo/Negativo

O diretor Fernando Trueba é um apaixonado por jazz, daqueles que não medem esforços para comprar bolachões raros e não perde a oportunidade de engatar discussões acaloradas com outros admiradores do Bebop.

Somando seu amor pelo jazz ao desejo de fazer um novo trabalho com o desenhista Javier Mariscal (com quem havia feito o documentário Calle 54), Trueba escreveu o argumento de uma trama sobre um pianista e uma cantora que tem sua história de amor marcada por desencontros, ao som de rumba, bolero e, claro, muito jazz, apresentou-a a Mariscal e propôs uma parceria na direção.

Foi o primeiro passo para o nascimento do longa-metragem de animação Chico & Rita (2010), que levou mais de seis anos para ficar pronto, sendo a primeira experiência com animação do cineasta espanhol.

A trama começa com Chico, já velho, recordando a primeira vez em que viu Rita, em 1948, ano em que a nova sonoridade difundida por Charlie Parker e Dizzy Gillespie chegava a Havana. Ele e o amigo Ramon costumavam sair em peregrinação por diversas casas noturnas e, numa dessas visitas, Rita estava no palco, cantando.

Chico ficou encantado com o que ouviu e viu, mas Rita nem lhe deu bola. O rapaz não desistiu e acabou convencendo a moça a sair com ele. Pagando o preço por ser mulherengo (e também ciumento), Chico perde Rita várias vezes. Enquanto ele fica em Cuba, ela segue para uma carreira internacional, em Nova York, além de sagrar-se uma estrela, em Hollywood.

Tornando-se um exímio pianista de jazz, Chico também parte para a América do Norte e Europa, mas mesmo reencontrando-se, ele e Rita nunca conseguiam ficar juntos. No presente, redescoberto por uma jovem cantora, ele aposta nesta última turnê pelo mundo para rever sua amada e retomar o antigo romance.

Chico & Rita tem o charme dos musicais das décadas de 1940 e 1950, principalmente os estrelados por Frank Sinatra, os quais mesclavam romance, comédia, drama e ação. Aqui, o traço sensual e expressivo, junto às cores quentes de Mariscal, tornam a trama mais realista.

Sucesso de crítica e público – foi o vencedor da categoria de animação no Goya 2011, além de concorrido ao Oscar de melhor longa animado em 2012 –, Chico & Rita ganhou uma adaptação para quadrinhos em 2011, pela editora madrileña SinsEntido, tendo suas duas primeiras edições rapidamente esgotadas.

No mesmo ano, a graphic novel Chico & Rita começou a ser traduzida para outras línguas, tendo sido publicada na França, Holanda, Reino Unido e Estados Unidos, neste último pela Self Made Hero, com participação do quadrinhista brasileiro Marcello Quintanilha.

A edição da Self Made Hero foi moldada tal qual a original, com capa dura, papel couché e um posfácio do Trueba.

Para quem assistiu e gostou da animação, vale a pena rever a história quadro a quadro, pois mesmo sem a magia do som, a arte faz o leitor ouvir os acordes do piano, o batuque dos bongôs e a sincronia perfeita das big bands

Classificação

4,5

• Outros artigos escritos por

.

.

.