COGUMELOS AO ENTARDECER

Por Sidney Gusman
Data: 1 dezembro, 2010

COGUMELOS AO ENTARDECER

Editora: Devir Livraria – Edição especial

Autor: Jonatas Tobias (roteiro e arte).

Preço: R$ 44,00

Número de páginas: 112

Data de lançamento: Setembro de 2010

 

Sinopse

Num mundo inspirado pelos RPGs medievais, Knox e Arroba são dois garotos que estão cansados de ser perseguidos pelos rapazes mais velhos de Aipo, a vila onde moram. Por isso, partem em busca dos lendários Cogumelos Mágicos, capazes de realizar qualquer desejo de quem os comer.

Knox quer se tornar um forte guerreiro, enquanto Arroba busca uma cura para o feitiço que o transformou num menino porco. No caminho, a dupla encontrará aliados e fará inimigos, alguns interessados nos cogumelos, outros querendo transformar os garotos em sua próxima refeição.

Positivo/Negativo

Este foi um dos dez trabalhos contemplados em 2009 pelo ProAC – Programa de Ação Cultural, da Secretaria da Cultura do governo do estado de São Paulo.

A julgar pela atrativa capa, com um bom desenho e cores competentes, o álbum parece promissor. Mas o resultado final decepciona.

O roteiro é uma colagem de referências e clichês dos RPG e mangás – especialmente de Dragon Ball. Arroba, por exemplo, é um aprendiz de feiticeiro com aparência de porco. Se alguém aí se lembrou de Oolong, o porquinho com poderes mágicos que encontra Goku no início de suas aventuras, não terá sido mera coincidência.

Além disso, a busca dos dois garotos pelos cogumelos lembra demais a de Goku e seus amigos pelas esferas do dragão. Ambos os artefatos, aliás, concedem um desejo para quem os comer (os cogumelos) ou reunir (as esferas).

Pra arrematar, quando Knox se transforma num guerreiro superpoderoso, adivinhe: seus cabelos ficam eriçados, tal qual um certo saiyajin. É “homenagem” demais. Mesmo que influenciado pela obra de Akira Toriyama, o autor podia – e devia – ter buscado mais o seu próprio caminho.

Na arte, Jonatas Tobias até se sai bem no começo, enquanto desenha apenas personagens infantis. Quando começam a aparecer os adultos, suas deficiências saltam aos olhos: são erros feios de anatomia, de proporção e nas expressões faciais.

Já na diagramação dos quadros e na narrativa (foi boa a sacada das páginas duplas em tons diferentes na abertura dos capítulos), Tobias demonstra potencial, apesar de, em algumas páginas, ter errado a mão na distribuição das cenas e dificultado ordem correta da leitura dos balões.

O melhor do álbum são as cores, bastante chamativas, especialmente considerando que o público-alvo é o infanto-juvenil.

No aspecto editorial, a Devir peca na revisão, algo que vem se repetindo em suas publicações recentes. Há erros de concordância, pontuação e grafia e palavras grafadas em desacordo com a nova ortografia. É preciso (muito) mais atenção nesse aspecto.

Em Cogumelos ao entardecer, Jonatas Tobias, que é um bom ilustrador, mostra que, nos quadrinhos, ainda tem muito a evoluir. Tanto na arte quanto no texto.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.