Conan Especial em Cores – A Cidadela dos Condenados

Por Osvaldo Magalhães
Data: 26 julho, 2004

Conan Especial em Cores - A Cidadela dos CondenadosEditora: Mythos Editora – Edição especial

Autores: Roy Thomas (roteiro) e Barry Smith (arte).

Preço: R$ 9,90

Número de páginas: 64

Data de Lançamento: Junho de 2004

Sinopse

Conan encontra Valéria na floresta próxima a Xuchotl, uma misteriosa cidadela na qual os dois adentram após o bárbaro matar um dragão que rondava o local.

Lá dentro, a dupla se envolve com os sobreviventes de dois antigos povos que juraram se destruir e, tomando o partido de um deles, consegue aniquilar os adversários.

No entanto, o ódio de séculos está tão profundamente arraigado nas almas dessas pessoas, que o chefe dos seus aliados encarrega dois de seus homens de matar o seu salvador…

Positivo/Negativo

A primeira edição especial de Conan lançada pela Mythos atravessou um verdadeiro rio de dificuldades antes de sua publicação.

Deveria ter saído em meados de 2003, mas percalços particularmente notórios impediram que os fãs brasileiros do Gigante de Bronze tivessem acesso a essa raridade dos quadrinhos.

Todavia, após longo período de espera, chegou às bancas brasileiras (ao menos no eixo Rio-São Paulo) a edição que traz em seu cerne multicor a adaptação do último conto de Conan escrito por seu criador, Robert E. Howard.

Fielmente adaptada do conto Red Nails (Pregos Vermelhos), a aventura já foi vista por aqui em A Espada Selvagem de Conan # 2, que foi publicada há 20 anos, pela Abril. Com cores especiais, no entanto, tornou-se mais magistral e inesquecível, tanto para antigos como para novos fãs.

Ainda na edição temos, pela terceira vez no Brasil, uma mostra do lúgubre poema Ciméria, de Howard, adaptado, ilustrado e colorido, com tons de guache, por Windor-Smith.

A novidade mesmo (além das cores e do preço, claro) é a Fonte Hiboriana de Roy Thomas, na qual ele explica, detalhadamente, o antes, o durante e o depois de Red Nails em quadrinhos.

Classificação

5,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.