Depois da escuridão

Por Paulo H. Cecconi
Data: 3 outubro, 2014

Depois da escuridãoEditora: Atomic – Edição especial

Autor: Mozart Couto (roteiro e arte).

Preço:R$ 21,90

Número de páginas: 48

Data de lançamento: Maio de 2014

Sinopse

Duas histórias de terror de teor sobrenatural e psicológico.

Positivo/Negativo

Mozart Couto é um nome conhecido no cenário nacional. Contribuiu com praticamente todas as editoras que publicaram quadrinhos no Brasil, foi premiado, ilustrou capas de livros, escreveu e desenhou histórias próprias e roteirizadas por terceiros.

Uma de suas maiores contribuições foi com o gênero terror, no qual fez numerosas histórias para gibis como Calafrio e Mestres do Terror.

Agora, o genial artista retorna com uma nova obra autoral, mais uma vez abordando o tema pelo qual é mais conhecido, porém, sob uma nova ótica.

Em Depois da escuridão, não há vampiros ou lobisomens. Existe somente o terror e os monstros gerados pela ignorância e pela negação.

O enredo usa como base filosofias com a crença em uma existência após a realidade encarnada, uma das bases fundamentais do espiritismo, por exemplo.

No entanto, não há abordagem religiosa gratuita ou de panfletagem. Em vez disso, o autor se utiliza dos aspectos sinistros dessas possibilidades para criar duas histórias ágeis, sem rodeios e tensas.

Na primeira, duas crianças e uma mulher encontram-se presas dentro de uma casa abandonada, onde devem proteger-se de monstros provenientes de uma árvore viva que fica em frente ao local.

Na segunda, uma garota lida com visões aterradoras e busca a ajuda de um psicoterapeuta.

Em ambas, a árvore é uma presença importante, conectando-as dentro de uma narrativa não linear.

A arte de Mozart Couto sempre foi um elemento de destaque. Aqui, com um novo estilo próprio, o autor torna flagrante seu domínio de luz e sombras. Ele usa a técnica para a ambientação sombria da obra, desde a capa perturbadora até o último painel, no qual a comunicação visual “grita” ao contrastar com uma imagem sem sombras. Um toque excepcional, digno de um gênio.

Aliás, genialidade nunca faltou nas obras de Couto. A sutileza do autor nos detalhes para contar as histórias pede uma releitura quase que imediata após a conclusão do livro, a fim de que se perceba elementos espalhados pela trama durante o trajeto.

A HQ foi publicada pela editora Atomic, responsável pelo fanzine Quadritos e a publicação Monstros do Fanzine. A edição é competente, no formato 22 x 30 cm e capa e miolo em papel Reciclato.

Infelizmente, a velha questão da linguagem causa um pouco de desconforto na leitura, especialmente na segunda história. A opção por um vocabulário coloquial e construções de frases mais próximas ao real fariam fluir melhor o enredo.

Depois da escuridão traz de volta o gosto do gênero que, por muito tempo, dominou as editoras nacionais, e deixa o leitor na expectativa por mais obras desse tema. Ou de outros, contanto que sejam no traço de Mozart Couto.

Classificação

3,5

• Outros artigos escritos por

.