Encantarias – A Lenda da Noite

Por Mário César
Data: 30 março, 2007

Encantarias - A Lenda da NoiteEditora: Independente -Edição especial

Autores: Otoniel Oliveira e Volney Nazareno (roteiro), Otoniel Oliveira (desenhos), Fernando Carvalho (arte-final) e Fernando Carvalho e Otoniel Oliveira (cores)

Preço: R$ 12,50

Número de páginas: 54

Data de lançamento: Fevereiro de 2006

Sinopse: Tupã convoca três valorosos guerreiros – o forte Piatã, o hábil Ubirajara e o perspicaz Kuandu – para encontrar o Alguidar Karapyky, um poderoso artefato capaz de trazer a escuridão para o mundo e desequilibrar a ordem da natureza.

Positivo/Negativo: Parece até maldição, mas quando tentam abordar mitologia indígena brasileira, seja em quadrinhos ou em qualquer outra mídia, o resultado é quase sempre de qualidade discutível. Raras são as vezes em que esse tipo de temática não desanda em obras de um didatismo entediante ou não vem acompanhada de um discurso nacionalista pedante. Felizmente, Encantarias – A Lenda da Noite é uma dessas exceções.

Realizada pelo Estúdio Casa Velha, com benefícios da lei de incentivo à cultura do Estado do Pará, este belíssimo álbum transforma uma lenda amazônica sobre a origem da noite em uma contagiante aventura.

Mérito da dupla de roteiristas que soube dosar na medida certa o tom de fábula com ótimas seqüências de ação. Outro ponto positivo é ligar a participação de personagens folclóricos como a Iara, o Curupira, Caninana e Honorato (duas cobras gigantescas) e Jaguarassá (a mulher-onça) com as provações pelas quais passam os protagonistas. Não há nenhuma participação especial gratuita pra “encher lingüiça” ou tentar tapar buraco na história.

Mas o ponto alto fica por conta da magnífica arte feita a quatro mãos. Otoniel Oliveira demonstra muita segurança nos desenhos, sempre com boas escolhas de ângulos e enquadramentos, uma grande riqueza de detalhes e muita ousadia na diagramação das páginas. E faz isso sem deixar a leitura confusa. A arte-final de Fernando Carvalho é precisa e as cores caprichadíssimas da dupla completam o estupendo espetáculo visual.

Dificilmente a trama funcionaria sem uma arte tão refinada. Alguns painéis, como o das aparições de Caninana e Honorato ou o do encontro de um dos protagonistas com a Árvore dos segredos, são dignos de serem emoldurados de tão preciosos.

Um trabalho primoroso, que merece ser conhecido e republicado por alguma editora de alcance nacional.

O álbum pode ser adquirido pelo site da obra – no qual há descrição dos personagens e preview de algumas páginas – ou solicitado por e-mail para Otoniel Oliveira. Vale a pena conferir.

Classificação

4,5

• Outros artigos escritos por

.

  • Banzé Menezes

    Infelizmente, ele parou com o projeto. Acho que não vendeu bem.