ETERNO # 1

Por Zé Oliboni
Data: 1 dezembro, 2007


Título: ETERNO # 1Fanzine

Autores: Rodrigo Alonso (roteiro) e Felipe Cunha (arte);

Preço: R$ 1,00

Número de páginas: 8

Data de lançamento: Julho de 2007

Sinopse: Renato é um garoto comum. Até que um dia, um casal que alega ser de anjos pede que ele se sacrifique pelo bem da humanidade.

Positivo/Negativo: Quem teve a oportunidade, há três anos, de conhecer Chuva contra o Vento provavelmente ficou na expectativa de quando Rodrigo e Felipe lançariam uma nova série. Agora eles publicaram um novo fanzine: Eterno.

A história começou, na verdade, em um pequeno prelúdio publicado em Garagem Hermética # 2, que trazia a interessante frase: “Deus (…) quando eu crescer não me permita ser tão pequeno…”.

Na época, a história parecia bem confusa, mas essa frase era bem inteligente. Depois de ler a primeira edição de Eterno, ela ganhou um sentido diferente. Aliás, deveriam tê-la citado em algum momento neste número, mesmo que fosse no editorial.

Independentemente de qualquer prelúdio, a história começa de forma provocativa e promissora. O diálogo entre Renato e os anjos é afiado, sarcástico e com um bom ritmo.

Ainda é difícil dizer aonde a história de ele ter que morrer para liberar uma energia e mudar o mundo vai chegar. Contudo, pela primeira edição, promete ser um caminho interessante.

Assim como nos outros fanzines, a arte de Felipe Cunha é excelente. É ótimo notar sua evolução tanto na estética quanto na narrativa nesses anos produzindo. Dos trabalhos que publicou em fanzines, este é o mais requintado visualmente. A arte é feita em preto, branco e cinza e ele trabalha os sombreamentos com um interessante efeito de retículas.

No geral, Eterno é uma prova que o formato de fanzines xerocados ainda têm muito a oferecer.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.