Halo – Insurreição

Por Liber Paz
Data: 18 janeiro, 2013

Halo - InsurreiçãoEditora: Panini Comics – Edição especial

Autores: Brian Michael Bendis (roteiro), Alex Maleev (arte) e Matt Hollingsworth, José Villarubia e June Chung (cores) – Originalmente em Halo – Uprising # 1 a # 4.

Preço: R$ 19,90

Número de páginas: 152

Data de lançamento: Janeiro de 2013

Sinopse

A raça humana está em guerra com alienígenas implacáveis.

Em um momento crítico, o coronel Ackerson lança um inusitado blefe que acaba mostrando-se surpreendentemente influente no conflito.

Positivo/Negativo

A série Halo é uma franquia de videogames, no estilo “tiro em primeira pessoa”. Muito elogiado pela crítica especializada, o jogo já tinha inspirado histórias em quadrinhos anteriormente em Halo Graphic Novel.

Halo – Insurreição é assinada por dois talentos reconhecidos no mercado de quadrinhos de super-heróis. Um é o badalado roteirista Brian Michael Bendis e o outro, o desenhista Alex Maleev. Juntos, eles foram responsáveis por uma das melhores fases do Demolidor.

A curiosidade é a seguinte: um leitor que jamais teve qualquer contato com o jogo Halo ou com seu universo ficcional conseguiria apreciar esta história em quadrinhos?

A resposta é que Halo – Insurreição se sustenta, mas está longe da qualidade dos melhores trabalhos da dupla Bendis e Maleev.

Mesmo sem ter noção alguma da premissa do jogo e seus personagens, não é muito difícil compreender que Halo mostra o conflito entre a raça humana e os cruéis alienígenas Covenant.

Aqui aparece um dos pontos fortes da trama: sua premissa. A terrível força invasora é contida por uma lorota contada por um prisioneiro humano. O coronel James Ackerson, torturado e impotente, diante da ameaça de destruição de diversas cidades do planeta Terra, solta o blefe desesperado: se as cidades forem destruídas, os alienígenas jamais possuirão a chave de Osanalan.

Intrigados com a natureza desse misterioso artefato, os agressores mudam sua missão de extermínio para busca. O problema é que os próprios humanos não têm a menor noção do que é a tal chave.

A partir daí, Bendis e Maleev mostram um pouco da sociedade humana dessa realidade fantástica. A história segue o desenvolvimento de filmes do estilo Independence Day, apresentando um casal de personagens que tenta sobreviver à invasão alienígena e que tem relação direta com a tal chave de Osanalan.

A trama, a ideia, os personagens e suas motivações são convincentes, mas acabam se diluindo no meio das sequências de ação.

O desenho de Alex Maleev é muito bom, mas é prejudicado pela colorização. Basta ver algumas páginas em preto e branco nos extras do final da edição para ficar claro que, nesse caso específico, a cor desvalorizou o trabalho do desenhista.

Outro problema é a participação do personagem Master Chief, o grande protagonista do jogo, que aparece em diversas páginas invadindo uma estação alienígena inimiga. Entretanto, todas essas sequências de ação parecem não ter qualquer conexão com a trama principal nem interação com os outros personagens.

Entende-se que a presença de Master Chief é obrigatória e ele está ali só pra fazer o que faz no videogame: atirar nos monstros. O que, para efeitos da história em quadrinhos, é algo completamente dispensável.

O resultado final é uma história desnecessariamente longa. A mesma trama, com os mesmos personagens e conflitos, poderia ser apresentada em uma quantidade muito menor de páginas.

Entre erros e acertos, Halo – Insurreição não é uma história ruim, é simplesmente “ok”.

Na dúvida, fique com o videogame.

Classificação

3,0

• Outros artigos escritos por

.