HOMEM-ARANHA # 3

Por Rodrigo L. Monteiro
Data: 1 dezembro, 2001

Homem-Aranha #3Título: HOMEM-ARANHA # 3 (Panini Comics) – Revista mensal

Autores: Paul Jenkins & Howard Mackie (textos), Mark Buckingham & John Romita Jr. (lápis), Dan Green, Rodney Ramos, Tom Palmer, Scott Hanna & Mark Buckingham (nanquim), Joe Rosas & Gregory Wright (cores).

Preço: R$ 6,90

Data de lançamento: Março de 2002

Sinopse: Na primeira história, o Homem-Aranha enfrenta um novo inimigo chamado “Alfabeto”, um ex-tipógrafo que quer se vingar de seu antigo patrão.

No entanto, Peter e Randy estavam sendo vítimas de abduções e um dos experimentos dos aliens, envolvendo o DNA do alter-ego do Aranha, perdeu o controle e está à solta em NY.

Cabe ao Homem-Aranha deter a criatura. No meio disso tudo, Peter Parker consegue organizar uma exposição de suas fotos “não-aracnídeas”, e precisa comparecer à abertura do evento.

O interessante é que tanto a hora marcada pelo Alfabeto para seu atentado, quanto o prazo limite para o Aranha impedir que sua “cria” se reproduza, e a abertura da exposição de Peter é a mesma: 19h. O aracnídeo precisa se virar para estar nos três lugares ao mesmo tempo.

Norman Osborn segue com seu plano de mestre: transformar seu maior inimigo em seu mais novo discípulo. Há meses, o Duende vem fazendo uma sutil, porém constante, lavagem cerebral na mente de Peter Parker, com o intuito de levá-lo a trilhar o “lado negro da força”.

Conseguirá Norman fazer com que Peter Parker herde o legado dos Osborn, e se torne o maior dos Duendes Verdes? Ou a lendária força de vontade do herói superará todas as drogas do seu inimigo e levará o Aranha a derrotar o vilão uma vez mais?

Essa história é continuação direta de O Homem-Aranha Premium #17.

Positivo/Negativo: Paul Jenkins deve ter querido fazer uma paródia das tradicionais histórias de ficção científica envolvendo abduções. Se assim for, conseguiu um belo resultado. Se, por outro lado, sua proposta seria soar sério, a trama torna-se ridícula. Como ele já provou ser um roteirista inteligente, melhor crer na primeira hipótese.

Já Howard Mackie começa a fechar o longo arco de histórias envolvendo o Duende Verde. Na medida em que sua saída do título vai se aproximando, suas tramas ganham uma consistência que não experimentavam até então.

O foco sobre o Duende continua fraco, já que ele vem batendo na mesma tecla – Homem-Aranha x Duende Verde – desde que assumiu o título. No entanto, conseguiu fazer com que a qualidade de seu texto sofresse um ligeiro acréscimo qualitativo.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.