Homem-Aranha # 6 – Abril – Premium

Por Rodrigo L. Monteiro
Data: 6 abril, 2001

Homem-Aranha Premium # 6Editora: Editora Abril – Revista mensal

AutoresHomem-Aranha e Mulher-Aranha – John Byrne (texto), John Byrne e Graham Nolan (lápis), Dan Green e Randi Elliot (nanquim), Joe Rosas e Steve Oliff (cores);

Homem-Aranha – Howard Mackie e Joseph Harris (texto), John Romita Jr. e Michael Lopez (lápis), Klaus Janson e Michael Lopez (nanquim), Gregory Wright e Mark Bernardo (cores);

Cavaleiros Marvel – Chuck Dixon (texto), Eduardo Barreto (lápis), Klaus Janson (nanquim), Avalon Studios, Haberlim Studios e Dave Kemp (cores).

Preço: R$ 9,90

Data de lançamento: Janeiro de 2001

Sinopse

Mattie Franklin, a atual Mulher-Aranha, fica sabendo da morte de Mary Jane, e decide ir até o apartamento do casal para consolar Peter. Uma vez lá, ambos são atacados por Charlotte Witter, a neta da Madame Teia, que tem a intenção de matar o Homem-Aranha.

De alguma forma, Charlotte descobriu a identidade de Peter e, por tabela, acaba revelando-a a Mattie.

Na seqüência, o Homem-Aranha e a Mulher-Aranha unem-se à Madame Teia (que, aparentemente, estaria perdendo a juventude adquirida na reunião do Quinteto) e a Jessica Drew, para derrotar Charlotte. Juntos, eles traçam um plano que pode tanto deter Charlotte como matar os heróis…

Se o Homem-Aranha parece não estar tão abalado quanto deveria, durante o confronto com Charlotte Witter, devido à morte de sua esposa, na história seguinte essa impressão desaparece.

Enquanto amigos e parentes de Peter e Mary Jane se reúnem no apartamento do casal, sendo recepcionados por May Parker, o Homem-Aranha se envolve em um confronto com o Hulk.

O aracnídeo culpa o gigante esmeralda (devido a fatos que serão revelados em Grandes Heróis Marvel # 6) pelo acidente aéreo em que sua esposa morreu, e vai “tirar satisfações” com ele. Quando percebe que tudo aquilo é apenas a sua maneira de fugir à realidade, volta para casa e se conforta nos braços da tia. Mais tarde, uma estranha novidade o atinge.

Teia do Tempo traz uma releitura do primeiro encontro do Justiceiro com o herói aracnídeo. Enganado pelo Chacal, ele é levado a caçar o Homem-Aranha por toda a cidade.

Mas seria mesmo o Homem-Aranha um assassino, como afirmara o Chacal, ou teria Frank Castle sido manipulado pelo vilão? O conflito entre o Amigão da Vizinhança e o implacável vigilante não deixa dúvidas sobre a questão.

Na estréia dos Cavaleiros Marvel, o Justiceiro encontra mafiosos russos chacinados num armazém. Suas investigações provam que aquilo é mais do que uma simples guerra de gangues, e ele percebe que é um problema que não vai poder resolver sozinho. Decide, então, buscar o auxílio do Demolidor.

Este, por sua vez, em vez de contatar pesos-pesados como os Vingadores ou o Quarteto Fantástico, vai atrás da Viúva Negra, parceira de longa data. Ela estava em uma igreja que fora atacada por uma gangue de arruaceiros. Com a ajuda de Adaga, que procurava por Manto (que confusão!), acabam ambas se unindo ao Homem sem Medo e, mais tarde, recebem também a ajuda de Shang Chi, o Mestre do Kung Fu, que estava atrás de estranhas criaturas.

A primeira missão do grupo revela-se maior do que qualquer um deles poderia imaginar, ou enfrentar sozinho.

Positivo/Negativo

As histórias da Mulher-Aranha parecem girar sempre em torno do mesmo eixo, a eterna luta de Mattie e as outras com Charlotte Witter. A participação do Homem-Aranha parece servir apenas para ajudar nas vendas do título nos Estados Unidos, já que não acrescenta muita coisa à cronologia do herói.

A aventura solo do Aranha não deixa de ser um pouco clichê no mundo dos super-heróis: parentes e amigos se reúnem para lamentar a perda, enquanto o principal alvo da preocupação de todos está envolvido numa briga. Destaque para o belo trabalho de diagramação de John Romita Jr., que usa e abusa de pin-ups e páginas duplas para mostrar o confronto Aranha versus Hulk.

Já Teia do Tempo mostra uma releitura do primeiro confronto do Homem-Aranha com Justiceiro. Apesar de ser uma exceção à tradição das histórias da série, que geralmente traz episódios inéditos do herói, é interessante conhecer as motivações do Chacal, em sua busca de vingança contra o herói.

Há ainda uma página de esclarecimentos da Abril, para leitores novatos, relembrando as condições (e edições) onde esse encontro se deu na cronologia oficial.

Finalmente, acontece a tão esperada estréia dos Cavaleiros Marvel. Mas, sinceramente, para algo tão comentado, esperava-se mais. Não é uma história excepcional, servindo basicamente para apresentar os personagens que farão parte do título. Esse papel ela cumpre, mas deixa uma sensação de “espero que daqui pra frente a coisa melhore”.

Classificação

3,5

• Outros artigos escritos por

.

.

.