HULK CONTRA O MUNDO – FRENTE DE BATALHA # 1

Por Zé Oliboni
Data: 26 outubro, 2009


Autores: Incrustado (World War Hulk – Frontline # 1 a 3) – Paul Jenkins (roteiro) e Ramon Bachs (arte);

Divisão de Fantasiados (World War Hulk – Frontline # 2) – Paul Jenkins (roteiro) e Shawn Martinbrough (arte);

Guerra é uma titica (World War Hulk – Frontline # 2 e 3) – Paul Jenkins (roteiro) e Chris Moreno (arte);

Tropa Gama (World War Hulk – Gamma Corps # 1 e 2) – Frank Tieri (roteiro) e Carlos Ferreira (desenhos);

Preço: R$ 8,90

Número de páginas: 120

Data de lançamento: Agosto de 2008

Sinopse: Incrustado – Ben Urich e Sally Floyd saíram de seus antigos empregos para criar o Linha de Frente e escrever as notícias que outros jornais não teriam coragem.

Agora, eles conseguiram recursos suficientes para competir até com o Clarim Diário e uma grande matéria paira sobre os céus de Nova York: a volta do Hulk. Só resta saber se os dois sobreviverão a essa guerra para escrever as reportagens das suas vidas.

Divisão de Fantasiados – O detetive Danny Granville recebe a missão de acompanhar Korg em uma investigação de homicídio.

Guerra é uma titica – Histórias curtas e cômicas sobre a Iniciativa.

Tropa Gama – Durante sua trajetória, o Hulk, mesmo sem querer, prejudicou várias pessoas. Algumas receberam a oportunidade de passar por experiências e ganhar poderes. E, agora que o gigante voltou à Terra, partirão para sua vingança.

Positivo/Negativo: Durante a Guerra Civil, a Marvel consolidou um formato que vinha buscado há tempos para “noticiar” seus grandes eventos. A ideia é dar mais de uma versão dos grandes eventos nos jornais de seu universo.

Algumas histórias esparsas de Ben Urich já tinham feito isso e, recentemente, The Pulse, centrada em Jessica Jones, cumpria esse papel. A série tinha tudo para dar certo, mas Brian Bendis tinha planos maiores para sua personagem: ela teve uma filha com Luke Cage e os três saíram de circulação após a Guerra Civil, o que tornou impossível Jessica ser consultora de um jornal.

Para preencher esse vácuo, nada melhor do que resgatar Urich, o eterno repórter da Marvel, e juntá-lo a Sally Floyd, uma jornalista que surgiu em algumas histórias carregadas de emoção envolvendo mutantes.

Nesta edição, o novo projeto deles está fadado ao fracasso – já que o idealismo não gera renda -, quando recebem uma ajuda misteriosa. É o tradicional recurso para atiçar a curiosidade do leitor: alguém que não quer se identificar oferece dinheiro suficiente e uma estrutura para que os dois possam concorrer com o Clarim Diário e ganhar mostrando qualidade.

Sobre a ligação com Hulk contra o mundo, para quem está acompanhando tudo, não há nenhuma informação nova. Até aqui, a história se apoia somente no carisma dos personagens. Por isso, vai do gosto do leitor avaliar se vale a pena conferi-la.

O desenho também não acrescenta nada. Ramon Bachs é o verdadeiro artista mediano, sem nenhum destaque e nem falhas gritantes.

Na sequência, Divisão de Fantasiados deixa a edição mais interessante, tanto em termos de texto, quanto de arte. É uma história policial em que um detetive precisa descobrir quem assassinou o robô Arch-E-5912, amigo de Hulk.

O problema que é há uma série de complicações inimagináveis: ele está em servidão judicial com Korg e, pela tradição do planeta do alienígena, se os dois não descobrirem o assassino, deverão se juntar a Arch-E-5912 no mundo dos mortos.

Fora isso, há outros choques “culturais” entre os dois e a investigação em si segue num ritmo interessante.

Guerra é uma titica são duas histórias com um humor bobinho. É difícil rir, mas sempre tem alguém pra achar graça do processo de seleção de heróis no estilo American Idol.

Para completar a revista, a minissérie Tropa Gama. Aparentemente, os editores da Marvel decidiram que Frank Tieri tem “cara” de “drama militar em base secreta”, pois é só que o autor tem feito ultimamente. Pulou de Arma X e títulos que, de uma forma ou de outra, continuavam a história que desenvolveu lá, diretamente para Tropa Gama.

A fórmula é mesma, batidíssima: vários personagens com razões mais que suficientes para odiar o Hulk, unidos por um cara mal-intencionado que lhes deu poder, treinamento e agora vai soltá-los em cima do gigante e ver o que dá.

As duas primeiras HQs, mostradas nesta edição, são só apresentação, o quebra mesmo ficou para o próximo número.

A arte é boa, mas tem alguns problemas. Em algumas partes, o desenho parece menos “encorpado”, com linhas mais finas e sombras menos trabalhadas. Pode ser que uma ou outra página tenha sido feita com pressa, mas são coisas que um desenhista e um arte-finalista profissional não podem deixar passar.

 

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.