Imagine Zumbis na Copa

Por Zé Oliboni
Data: 27 junho, 2014

Imagine Zumbis na CopaEditora: Giz Editorial

Autores: Felipe Castilho (roteiro) e Tainan Rocha (arte).

Preço: R$ 29,90

Número de páginas: 48

Data de lançamento: Maio de 2014

Sinopse

A Copa do Mundo chega à sua grande final. E é justamente durante o jogo decisivo que o fim da humanidade pode ter se iniciado.

Por trás das câmeras e sobre o gramado, três pessoas enfrentam suas próprias batalhas, antes de perceberem que o maior pesadelo de uma nação pode não ser uma derrota em casa, e que nenhuma tragédia esportiva na história chegou ao nível do que está para acontecer dentro do Maracanã.

Positivo/Negativo

Antes de tudo é preciso fazer algumas ressalvas sobre o título. Sim, ele é extremamente oportunista, com foco bem comercial, criado para tentar lançar com boas vendas o novo selo de quadrinhos da editora Giz Editorial. E não há nada de errado nisso, principalmente se o trabalho for bom.

Depois dos vampiros, a cultura pop tem passado pelo “momento zumbi”, embalado pelo sucesso de Walking Dead. Esse é outro ponto que necessita de ressalvas. A trama básica não tem como fugir muito das milhares de histórias de mortos-vivos que já se publicou, porque o tema tem características básicas que dificultam grandes inovações.

Então, a trama é a de sempre: alguém infectado contamina outra pessoa, que começa a se transformar em zumbi e passa a “praga” adiante, preferencialmente em um lugar cheio de vítimas – neste caso, na final da Copa do Mundo no Brasil.

Apesar de a HQ ser curta para compor uma trama mais elaborada, as opções de Castilho são interessantes. Ele mescla temas atuais e outros que habitam o imaginário do futebol, como a destruição do Haiti (de onde vem o juiz da final da Copa, “comprado” por magnatas para dar a vitória ao Brasil); ex-jogador com problemas com drogas; o clamor da internet influenciando a programação da TV e trazendo de volta ídolos esquecidos; e atletas que escapam da concentração para se divertir.

Toda essa colagem de referências funciona para carregar a história até o momento que todos realmente esperam: o ataque zumbi.

Mas o grande destaque da edição é a arte de Tainan Rocha. O visual como um todo é muito interessante. As cores, bem orgânicas, compõem belas páginas, o desenho é dinâmico e a narrativa tem a agilidade e o movimento na medida para a trama. Destaque especial para a página em que o ex-jogador Jorge Pedreira enfrenta os zumbis.

Editorialmente, a HQ tem alguns problemas, como mancadas de revisão e a opção por colocar o epílogo nos extras, misturado com a galeria de convidados deixou tudo bem confuso, principalmente porque o esse trecho final é necessário para amarrar a história do Haiti e o de Jorge Pedreira.

Classificação

3,5

• Outros artigos escritos por

.