JOHNNY CASH – UMA BIOGRAFIA

Por Igor Toscano
Data: 1 dezembro, 2010

JOHNNY CASH - UMA BIOGRAFIA

Editora: 8Inverso – Edição especial

Autor: Reinhard Kleist (roteiro e arte) – Publicada originalmente em Cash – I see a darkness

Preço: R$ 44,00

Número de páginas: 248

Data de lançamento: Outubro de 2009

 

Sinopse

A vida do cantor e compositor country Johnny Cash, desde a infância até os seus últimos dias, passando pelos momentos mais sombrios.

Positivo/Negativo

Johnny Cash – uma Biografia chega ao Brasil bem recomendada. Publicada originalmente na Alemanha, em 2006, a obra já foi traduzida para o francês, espanhol, inglês, italiano, grego, croata, entre outras línguas, sempre bem recebida. Ganhou o prêmio de melhor livro de quadrinhos da Feira do Livro de Munique e faturou o Max und Moritz de melhor graphic novel de 2008 e o Les Prix de Ados 2009, no Festival Literário de Deauville.

Cash não é uma figura muito comentada por aqui. Afinal, o gênero country não é tão popular no Brasil. Mesmo assim, por ser um músico de representatividade e importância no cenário internacional, tem um público fiel. E após sua morte, em 2003, foi elevado àquele patamar especial reservado a artistas, que somente após falecerem são reconhecidos como “gênios” da arte que realizavam.

E não faltaram homenagens ao artista: a chamada Cashmania levou Hollywood a montar um filme biográfico, Johnny e June (Walk the Line, no original), que foi lançado no mesmo ano em que Kleist lançou sua HQ. E isso gerou dúvidas se o autor deveria seguir com o projeto, conforme é relatado no prefácio original da obra, pelo jornalista Franz Dobler. Mas, felizmente, ele o levou adiante, e o resultado é de encher os olhos.

O desenho de Kleist é limpo e cheio de detalhes – ele realmente se dedicou a estudar os rostos das figuras reais representadas. O alemão compreende que Johnny Cash, o contador de histórias, mais do que o músico, era um sujeito que canalizava o espírito das canções folk e passava isso no palco.

Cash vivia as histórias que contava, e isso fica claro para o leitor à medida que se intercalam à narrativa principal trechos de canções. Nesses momentos, a linha entre ficção e realidade muitas vezes desaparece.

Tudo sob a ótica de Sherley, um prisioneiro em Folsom, presídio famoso dos Estados Unidos, onde Cash realizou um show que o levou de volta ao auge, após um período conturbado.

A narrativa é dinâmica, envolvente e, por vezes, tocante. O momento em que Cash grava Hurt, um dos seus últimos sucessos, é de trazer lágrimas aos olhos daqueles que conhecem sua carreira.

A edição nacional é bonita, com orelhas e papel bom. Incomoda um pouco o fato de o tradutor (o jornalista Augusto Paim) ter optado por usar a contração “tá” em vez de “está” tantas vezes. Além disso, a revisão dá uma pequena escorregada na página 143 (“escutao que” no lugar de “escuta o que”) e na 170, em que a música Ring of Fire tem sua tradução bem confusa, no rodapé.

Mas merece menção a bela tradução de todos os trechos musicais e do glossário ao final da edição, com termos importantes citados ao longo da história.

Notas sobre que canção cada trecho relata ajudariam especialmente os não conhecedores da obra do músico. Mas, da forma que ficou, sobra ao leitor interessado mergulhar na extensa discografia de Johnny Cash e descobrir as dezenas de referências visuais e de diálogo que foram convertidas em baladas.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.