Lanfeust de Troy – Volume 1 – O marfim do Magohamoth

Por Marcelo Naranjo
Data: 15 março, 2016

Lanfeust de Troy – Volume 1 – O marfim do MagohamothEditora: Marsupial – Edição especial

Autores: Christophe Arleston (roteiro) e Didier Tarquin (desenhos).

Preço: R$ 42,00

Número de páginas: 96

Data de lançamento: Julho de 2015

Sinopse

No mundo de Troy, cada habitante tem o dom de uma magia específica. Lanfeust, por exemplo, pode fundir metais. Mas, ao se deparar com um determinado marfim no cabo de uma espada, ele adquire temporariamente o poder mágico supremo, capaz de tudo.

Para entender o que está acontecendo, o jovem e seus amigos partem numa jornada em busca de conhecimento, mas que pode significar o fim de todos.

Positivo/Negativo

A França é um dos maiores mercados de quadrinhos do planeta. A produção franco-belga é expressiva e a maior parte dela sempre recebe ótimas críticas, graças à notória qualidade dos trabalhos publicados, tanto na arte quanto nos roteiros.

Ainda assim, poucos títulos chegam ao nosso mercado. Fora raras exceções e personagens como Asterix, Tintim ou Lucky Luke, as iniciativas são tímidas e quase sempre naufragam em poucas edições, sabe-se lá os motivos das baixas vendas.

Mas nada de pessimismo. Quem sabe as coisas não começam a mudar?

Uma ótima opção no gênero é primeiro número da série Lanfeust de Troy. No Velho Continente, o título fez tanto sucesso e vendeu tão bem que até ganhou séries correlatas.

A aventura é quase um lugar-comum para os fãs de RPGs e seus congêneres: um mundo medieval com magia, que sempre é mantida localmente por um mago ancião, o qual possibilita que cada habitante tenha uma habilidade especifica – seja fazer chover, mudar a direção do vento ou até provocar cócegas nos outros (?).

O poder do herói da série, Lanfeust, é fundir metais, apenas desejando que isso ocorra. Assim, ele tem a profissão de aprendiz de ferreiro. Mas a chegada de um estrangeiro portando uma espada com marfim no punho desperta no protagonista um poder mágico “supremo, absoluto e devastador”.

Mas esse poder surge apenas em contato com o marfim, o qual é parte de Magohamoth, o animal que criou a magia neste mundo.

O mago da aldeia, Nicoledes, e suas duas filhas, Cixi e C’ian, partem com Lanfeust para a cidade dos sábios, Eckmul, em busca de informação e conselho. Mas muitos percalços os esperam no caminho, especialmente na figura de Thanos, um pirata com poder similar ao do herói, que será seu grande inimigo.

Depois da leitura fica claro o motivo para tanto sucesso na Europa. Com uma arte detalhista e expressiva, em especial nas expressões por vezes quase caricatas dos personagens, e um enredo que já começa interessante, é leitura para ser feita de um fôlego só.

Pra tornar tudo mais interessante, há muita ação, ótimas sacadas, reviravoltas constantes e uma enorme dose de humor – principalmente na figura de Hebus, um terrível troll assassino que acaba “domesticado” por uma magia do mago Nicoledes, e Cixi, uma das filhas do mago, que é algo “sacana” e provoca hilárias situações ao provocar Lanfeust, que está comprometido com C’ian, a irmã mais recatada.

A editora teve a ótima iniciativa de lançar dois volumes europeus em um único álbum nacional, o que torna a leitura mais prazerosa.

Os fãs de fantasia vão encontrar tudo que mais prezam – magos, conspirações, trolls, dragões e muito mais. Os fãs de quadrinhos vão se deparar com um material de qualidade, que instiga o suficiente para se aguardar com ansiedade o próximo número. Para o leitor, é uma ótima oportunidade de dar uma chance aos quadrinhos europeus que chegam ao Brasil – e torcer para que saia logo o segundo volume, já que a periodicidade não foi definida.

Melhor que tudo isso, só ter uma magia única e específica para usar a hora que bem entender. Desde que não seja, como consta no release da obra, o de se soltar “puns” coloridos!

Classificação

Lanfeust de Troy – Volume 1 – O marfim do Magohamoth

.

Compre Lanfeust de Troy aqui!

• Outros artigos escritos por

.

  • Quadrinhos europeu são a nata!

  • Fernando Leal

    Tenho este arco em edições portuguesas, comprei por curiosidade e por estarem baratas na época, foi uma grata surpresa. Quem puder não deixe de ler.

  • Cleber dos Santos farinazzo Ju

    É uma pena não ter por aqui tanto das magníficas obras que os quadrinhos europeus produzem. Queria muito que Las Águilas de Roma, por exemplo, aparecesse por aqui. Esse aí da resenha eu não conhecia. Vou conferir!

  • Heberton Arduini

    Excelente HQ. E otima para aqueles que não conseguem acompanhar outras obras Francesas. Aqui o ritmo e o texto são bem acessíveis e nem por isso uma obra menor.