LOBO SOLITÁRIO # 13

Por Eduardo Nasi
Data: 1 dezembro, 2006


Título: LOBO SOLITÁRIO # 13 (Panini
Comics
) – Revista mensal
Autores: Kazuo Koike (roteiro) e Goseki Kojima (desenhos)

Preço: R$ 12,90

Número de páginas: 320

Data de lançamento: Janeiro de 2006

Sinopse: A Lua a Leste, o Sol a Oeste – Retsudô, líder dos Yagyu, pede a seu filho bastardo Shoubê, dos Hoojiro, que mate o Lobo Solitário. E Itto Ogami vai usar a natureza e a esperteza para vencer o bando que o persegue.

Marohoshi Mamesho – Um velho soldado reconhece o Lobo Solitário e vê na derrota do famoso ronin uma oportunidade de boa aposentadoria.

Durma, Durma, Daigoro – Ao ver Daigoro brincar com seu filho, um menino tímido e fraco, um comerciante que contratou Itto Ogami pede que o garoto fique com a família enquanto o samurai cumpre sua missão.

Hoojiro Yagyu – Continuação direta de A Lua a Leste, o Sol a Oeste, mostra os Hoojiro tentando matar Lobo Solitário com flechas envenenadas. Mas Itto Ogami desafia Shoubê aproveitando-se das fraquezas do filho bastardo de Retsudô.

As Histórias Secretas de Hazachi-Gumi – Um grupo de mulheres que treinam falcões para a takagari (caça) enfrenta o ódio de um vilarejo.

Positivo/Negativo: O 13º volume marca um ano de publicação de Lobo Solitário pela Panini. Por isso, há alguns extras. No fim da edição, o leitor encontrará uma galeria de capas originais dos 12 primeiros tomos japoneses – são desenhos realmente lindos. Além disso, há mais um artigo de Pedro “Hunter” Bouça, que vem completando as revistas com textos sobre o mundo criado por Koike e Kojima. Desta vez, o tema é o clã dos Yagyu na vida real. Só um detalhe a ser corrigido: na página 312 há uma pequena confusão entre Muneyoshi e Nobutsuna no segundo parágrafo.

As histórias também têm um tom diferente. Há apenas três combates diretos nas mais de 300 páginas. O primeiro é com Marohoshi Mamesho, que chega a ser bobo. Koike mostra o esforço de um soldado decadente para derrotar o maior matador do Japão. Itto Ogami chega a pedir que ele pare de lutar para não ter um derrame.

O segundo é o enfrentamento com Shoubê em Hoojiro Yagyu. Dura um único golpe – e a batalha é postergada para o futuro, por um acordo entre ambos.

Por fim, há um combate em As Histórias Secretas de Hazachi-Gumi, mas o Lobo nem se envolve.

Com muito menos violência que o usual, o pique deste número é bem mais sutil. As histórias são ainda mais reflexivas e evidenciam as emoções dos personagens e como eles lidam com o mundo.

Dois momentos chamam a atenção já na primeira trama: o sonho de Retsudô Gizen (do começo até a página 30) é extremamente violento – e Itto Ogami, seu maior inimigo, acaba dando uma resposta velada no fim da história, em um combate que é evitado apenas com a inteligência.

O volume também marca a estréia de Bill Sienkiewicz nas capas de Lobo Solitário, após a gestão de Frank Miller. Os dois são criadores profundamente influenciados pelo mangá e foram parceiros em Elektra – Assassina.

 

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.