MÁGICO VENTO # 2

Por Marcelo Naranjo
Data: 1 dezembro, 2001

Mágico Vento #2Título: MÁGICO VENTO # 2 (Mythos Editora) – Revista mensal

Autores: Gianfranco Manfredi (roteiro) e Barbati e Ramella (arte).

Preço: R$ 4,90

Data de lançamento: Agosto de 2002

Sinopse: Poe acompanha Mágico Vento na volta a sua aldeia. Mas, em vez de do lugar feliz descrito pelo novo amigo, encontra um ambiente envolto em tragédia: uma águia descera dos céus e levara uma das crianças dos Sioux.

Todos estavam desesperados. Um dos índios que estava no local do rapto, de nome “mata-a-si-próprio”, uma espécie de comediante local, entra em pânico e pensa em suicídio.

Os Sioux acreditam que a águia seja o espírito de um índio, falecido alguns anos antes, conhecido como “fala-com-as-águias”, que fora desprezado pela tribo e tentou buscar reconhecimento enfrentando um perigoso e solitário feiticeiro, chamado Lobo Negro. Como não voltou, todos acreditavam que tinha sido morto no embate.

Mágico Vento parte em busca de respostas, enfrentando diversos perigos e combatendo Lobo Negro, um terrível oponente, que também conta com poderes místicos. Enquanto isso, Poe tenta levantar o ânimo de “mata-a-si-próprio”.

No final, os acontecimentos tomam um rumo inesperado.

Positivo/Negativo: Outra ótima história de Mágico Vento. Nesta, o leitor é apresentado a inúmeros aspectos da cultura indígena, e sua forte e estreita relação com o mundo dos animais.

No texto introdutório Blizzard Gazette – Notícias da Fronteira, toda uma explicação sobre a simbologia e o relacionamento entre as águias e os índios. Como no primeiro número de Mágico Vento, fica a impressão que somente uma página é pouco, pois o texto é muito interessante.

As situações entre Poe e o índio “mata-a-si-proprio” dão o tom de humor à trama, que envolve magia, lendas, traições, verdades e mentiras. Tudo misturado de maneira inteligente, criando expectativa a cada página.

Os desenhos são muito bons, com direito até a tomadas cinematográficas. Imperdível.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.