MÁGICO VENTO # 69

Por Toni Rodrigues
Data: 1 dezembro, 2008


Autores: Gianfranco Manfredi (texto) e Ivo Milazzo (desenhos).

Preço: R$6,90

Número de páginas: 96

Data de lançamento: Março de 2008

Sinopse: Cem Rifles – Barro, o jovem índio que era um ótimo corredor e ficou amigo de Mágico Vento, cresceu. Agora, para ser considerado um verdadeiro guerreiro por sua tribo, precisa de um cavalo.

Mas não pode ser um cavalo qualquer…

Positivo/Negativo: A história de Manfredi é razoável, bem contada como sempre, mas não é nem de longe um de seus melhores esforços. Por sorte, o que é médio para o autor é bastante superior à maioria das tramas que estão nas bancas. A crítica aqui é em comparação ao seu próprio trabalho.

A verdadeira estrela deste número é o desenhista Ivo Milazzo. Para definir a qualidade dos seus traços, só mesmo usando um termo de Mary Poppins: supercalifragistiexpialidoso (em português). Ou, como diria o cartunista Jaguar, no Pasquim: é duca! Que desenhista!

Milazzo já era bom em 1974, na primeira história de Ken Parker. Seu desenho era mais “penteado”, havia uma preocupação com o acabamento formal, com a técnica em si. Com o passar do tempo, seu traço foi se tornando mais espontâneo e confiante, livre de amarras formais, quase autográfico. Não é à toa que ele é amado por 9,5 entre 10 desenhistas de quadrinhos.

Esta história, aliás, é uma verdadeira aula de arte. A maneira como manchas de tinta se tornam bisontes em fúria, os pequenos traços que viram chuvas torrenciais, o uso do espaço negativo na composição, tudo é muito bom. Milazzo “nada de braçada” em cima da maioria dos “feras” do mercado norte-americano.

Ele nem sequer esboça mais. É capaz de desenhar direto com a pena e dar o acabamento com um único pincel, como também o fazia seu compatriota Hugo Pratt. Um gênio. Assim se pode definir Ivo Milazzo.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.