MARVEL MILLENNIUM – HOMEM-ARANHA # 29

Por Zé Oliboni
Data: 1 dezembro, 2004


Autores: Homem-Aranha – Brian Michael Bendis (roteiro) e
Mark Bagley (desenhos);

X-Men – Brian Michael Bendis (roteiro) e David Finch (desenhos);

Aventuras Aventurescas – Ron Zimmerman (roteiro) e Duncan Fegredo
(desenhos).

Preço: R$ 6,00

Número de páginas: 96

Data de lançamento: Maio de 2004

Sinopse: Homem-Aranha – Gwen Stacy convence Peter a ir a
uma festa com alunos de outra escola. Lá, ele encontra um estranho jovem
que usa seus poderes para destruir as coisas e divertir os amigos.

X-Men – Wolverine está em busca de informações sobre seu passado,
mas alguém parece não querer que ele encontre coisa alguma. A vida de
Logan está em jogo e ele só pode contar com a ajuda de um certo aracnídeo.

Aventuras Aventurescas – Coruja-Gavião avalia a proposta dos Supremos
para integrar a equipe, enquanto surgem problemas na escola de Hank.

Positivo/Negativo: As duas aventuras do Homem-Aranha giram em torno
de um problema que sempre atormentou leitores mais preocupados com o realismo
nas histórias em quadrinhos: quem costura os uniformes?

Com seu uniforme destruído no combate com Venom, Peter tem que procurar
alternativas para combater o crime e manter sua dignidade. Essa história
só perde em comicidade para quando o Homem-Aranha da linha normal estava
sem seu traje e prendeu alguns bandidos vestindo uma camiseta do Quarteto
Fantástico, utilizando um saco de papel como máscara e atuando sob o nome
Homem-Vergonha.

Seguindo a novela que se tornou o relacionamento entre Peter e Mary Jane,
ela faz uma transformação completa no visual, no melhor estilo do filme
Grease – Nos Tempos da Brilhantina, conseguindo chamar a atenção
de Peter e, finalmente, ocasionando a tão esperada volta do jovem casal.

Quanto a Geldoff, um super-humano com forte tendência para a destruição,
infelizmente o confronto dele com Peter ficou para próxima edição. Mas,
pela demonstração de poder do rapaz, se o Homem-Aranha quiser ensinar
para ele que “com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”, terá
que se esforçar um bocado.

Em X-Men, o grupo está um pouco afastado, para os leitores poderem
aproveitar as aventuras solo de Wolverine. Muita gente reclama da overdose
de histórias do herói pelo seu grande sucesso nos filmes, mas, convenhamos,
os personagem é interessante e tem muita coisa para ser explorada.

Esta aventura provavelmente é o começo de grandes mudanças na história
de Wolverine, um arco que vale a pena acompanhar.

Os desenhos de David Finch deixam um pouco a desejar no geral, pois têm
altos e baixos. A seqüência inicial é excelente, os cenários, ótimos,
mas sua arte oscila com alguns momentos não tão bons.

A participação dos Supremos deu uma boa melhorada no nível de Aventuras
Aventurescas
, que não vinha sendo um ponto alto no mix da revista.

Jack Danner, que até o momento tinha parecido um tanto frouxo e deslumbrado
pelo fato de ser um super-herói, se mostrou bem melhor e com muita atitude,
batendo de frente com o Capitão América e os Supremos. O combate entre
eles talvez seja a melhor parte de toda série.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.