Mikrokosmos

Por Milena Azevedo
Data: 21 setembro, 2015

MikrokosmosEditora: independente – Edição especial

Autor: Thiago Souto (texto e arte).

Preço: R$ 20,00

Número de páginas: 40

Data de lançamento: Novembro de 2014

Sinopse

A história de um homem que, durante sua infância, sofreu sob a expectativa de ser algo que não desejava. Após muitos anos, na solidão desoladora do espaço, ele ouve ecos de seu passado.

Positivo/Negativo

Para Pitágoras, o universo era composto de harmonia e números. Em sua teoria sobre a harmonia das esferas, defendeu que o movimento de rotação dos planetas produzia uma “música celeste”, e que as distâncias entre eles estavam relacionadas a intervalos musicais.

Em Mikrokosmos, Thiago Souto evoca esse conceito pitagórico ao apresentar uma elaborada trama minimalista. Na verdade, um belíssimo poema antitético, no qual equilibra som e silêncio.

O título da HQ faz referência ao conjunto de 153 peças para piano, compostas pelo músico húngaro Béla Bartók, mas também à relação entre o ser humano e seu mundo particular (microcosmo) e o Universo (macrocosmo).

O protagonista sem nome de Mikrokosmos é filho único de uma famosa pianista. Treinado por sua mãe desde os quatro anos para se tornar um virtuose, aos 17 já havia tocado com quase todas as grandes orquestras do mundo.

Contudo, à medida que seu sucesso aumentava, a beleza da música ia se esvaindo aos seus olhos. Tanto que, aos 18 anos, parou de tocar e aos 19 radicalizou, procurando refúgio onde não havia a menor chance de propagação do som.

Em sua vida de astronauta, a solidão e a enxaqueca acentuam sua desarmonia interna, fazendo com que ele enxergue a “música celeste” em forma de notas que remontam a melodias de um passado que procurou desesperadamente esquecer, mas com o qual sua alma precisa se reconciliar.

Despretensiosamente, Thiago subverte a associação entre vida e música/silêncio e morte, ao mostrar que a música sem sentimento leva à morte da alma, e só o silêncio causado por uma pausa, tal qual um intervalo entre notas, pode fazer renascer essa alma adormecida.

Assim, as antíteses de música e silêncio/vida e morte são metaforicamente equilibradas pela inserção de flashes de magenta no preto e branco, e pelos precisos cortes entre presente e passado, levando o leitor a “escutar” os diferentes sons emanados do papel.

Outra metáfora bem trabalhada diz respeito à fixação que o personagem tem com Sirius, a principal estrela da constelação de Cão Maior. Sirius é um sistema binário, formado por Sirius A (que pode ser entendido na trama como a mãe do personagem) e Sirius B (o personagem principal).
No espaço, Sirius A (mãe) atrai Sirius B (filho) para que toquem uma sonata para quatro mãos, de Mozart, resolvendo seus conflitos internos e, então, ambas as estrelas podem seguir em paz, juntas.

Mikrokosmos pode ser adquirida diretamente no site de vendas do autor, Zootropo.

Classificação

4,0

• Outros artigos escritos por

.