MONDO URBANO

Por Zé Oliboni
Data: 1 dezembro, 2010

MONDO URBANO

Editora: Devir Livraria – Edição especial

Autores: Mateus Santolouco, Eduardo Medeiros e Rafael Albuquerque (roteiro e arte).

Preço: R$ 25,00

Número de páginas: 128

Data de lançamento: Setembro de 2010

 

Sinopse

Mondo Urbano é uma caótica graphic novel, narrada por meio de uma série de vinhetas, que leva os leitores para uma desbravadora e excitante jornada através de um mundo… urbano… de sexo, drogas e rock’n’roll.

As quatro histórias da coleção foram lançadas originalmente de forma independente, entre 2008 e 2009. As edições se chamam Powertrio, Overdose, Cabaret e Encore.

Positivo/Negativo

O mundo dos fanzines e publicações independentes surpreende muito. Obviamente, muitas publicações não são boas – natural, uma vez que servem como uma espécie de escola para os autores se desenvolverem -, mas, volta e meia, surge algo excepcional como Mondo Urbano, Necronauta ou 10 Pãezinhos.

O grande problema para esses materiais de qualidade é que o alcance limitado. Se até o que é publicado por editoras muitas vezes é difícil de chegar a alguns lugares do País, imagine os fanzines e revistas independentes, que são vendidas no “corpo a corpo”.

Felizmente, as editoras estão percebendo isso e têm pinçado esses ótimos quadrinhos independentes, transformando-os em álbuns de destaque.

Mas nem sempre o caminho é direto. Mondo Urbano, por exemplo, precisou ser publicado pela editora americana OniPress para chamar a atenção da Devir para o seu potencial.

No entanto, independentemente do caminho, o importante é que os leitores brasileiros agora têm acesso ao excelente material produzido pelo “Power Trio” dos quadrinhos nacionais.

É difícil falar da obra. Narrada de forma aparentemente caótica, com vários vaivens e intercalações de trama, Mondo Urbano é divertida do começo ao fim; e melhora a cada momento, assim que o leitor consegue juntar na sua cabeça este com aquele pedaço da história.

Tudo cabe no cenário criado na HQ: rock, drogas, demônios, prostitutas, um mendigo sortudo, assassinatos, loucuras e até uma surpreendente história de amor.

A mistura dos estilos dos três desenhistas dá um bom ritmo a narrativa. É interessante como o traço cartunesco de Eduardo Medeiros se incorpora ao estilo um pouco mais realista e complexo de Santolouco e Albuquerque. Cada um tem seu espaço na construção da arte e isso é bem colocado para se adequar ao momento da trama.

Outro destaque é que os autores souberam agregar elementos gráficos ao estilo de cada um para que a revista tivesse uma unidade e não fosse uma mera colagem de artes distintas.

O álbum está bem editado. Além da bela capa, a escolha da impressão monocromática num tom arroxeado (originalmente, cada revista que compõe este volume foi feito numa cor) dá um destaque a mais ao trabalho.

Mondo Urbano pode não ser a melhor a HQ nacional de 2010, mas apenas porque este tem se mostrado um ano excelente para os quadrinhos brasileiros; e a competição é forte. De qualquer forma, é uma obra muito divertida e que merece ser conferida.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.