MUNDO FANTASMA

Por Zé Oliboni
Data: 1 dezembro, 2011

MUNDO FANTASMA

Editora: Gal – Edição especial

Autor: Daniel Clowes (roteiro e arte) – Originalmente em Ghost World.

Preço: R$ 28,00

Número de páginas: 80

Data de lançamento: Maio de 2011

 

Sinopse

Enid e Rebecca são duas cínicas e inteligentes adolescentes que vivem em uma pequena cidade norte-americana no começo dos anos 90. Elas são melhores amigas desde pequenas e acabaram de se formar no colegial.

Enquanto tentam decidir o que farão de suas vidas, passam o dia criticando tudo e todos que encontram pela frente.

Positivo/Negativo

A trajetória editorial de Mundo Fantasma é bem interessante.

Trata-se de um material alternativo publicado inicialmente como histórias soltas nos números # 11 a # 18 (junho de 1993 a março de 1997) da revista norte-americana Eightball e depois compilado em formato de livro pela Fantagraphics Books. Mais tarde, ganharia ainda uma edição especial, pela mesma editora, com mais de 200 páginas de extras.

A HQ ganhou o Ignatz Award de melhor graphic novel ou coletânea em 1998, entrou para algumas listas de melhores quadrinhos da década de 1990 e, em 2001, foi adaptada para o cinema com atuações de Thora Birch, Scarlett Johansson e Steve Buscemi.

Mundo Fantasma tirou Clowes do anonimato e o incluiu naquelas listas de autores obrigatórios dos quadrinhos. E como este material permanecia inédito no Brasil, já chega com status de item de colecionador.

Nesse ponto, cabe uma crítica a opção da Gal Editora de publicar a edição “básica” da HQ. Sem diminuir os méritos por finalmente lançá-la por aqui e pela edição bem cuidada, de cara fica a dúvida: se é um material para colecionadores, por que não investir, pelo menos, numa versão com alguns extras?

Por mais que o material continue atual, que seu texto e traço tenham “envelhecido” bem, qualquer história de quase 20 anos pede, pelo menos, um bom prefácio, um guia de referências explicando a cronologia da obra.

Detalhes como a evolução da arte de Clowes – que foi atualizada com o tempo e as republicações – e até a mudança da cor que marca as sombras do azul original para o atual verde, são curiosidades que acrescentam muito para o leitor, principalmente àquele que vai procurar a HQ por sempre ter ouvido falar da qualidade dela.

E vale dizer que tudo de positivo falado sobre Mundo Fantasma é merecido. A história transita por um limbo que geralmente é deixado de lado na cultura pop. A maioria dos filmes, séries e HQs sobre a juventude norte-americana foca no colegial ou na faculdade, ou em uma transição imediata e bem-sucedida entre os dois.

São poucas as obras que voltam a sua atenção, de forma inteligente, para aquele momento de indecisão pós-colegial na vida dos adolescentes, principalmente com personagens com vida pouco glamorosa.

Pode-se até dizer que Mundo Fantasma compartilha com Scott Pilgrim (cuja conclusão foi lançada pouco antes por aqui) a temática do cotidiano dos jovens. Mas o universo de Enid e Rebecca é mais crível e de fácil identificação.

Mundo Fantasma olha para um cotidiano deprimente, cheio de personagens bizarros, sem filtros. A obra transmite uma forte sensação de realismo graças à crueza da narrativa.

E por mais que retrate as duas amigas como jovens inteligentes, com uma sagacidade acima dos outros personagens, a realidade da vida delas impede a glamorização de suas atitudes, mantendo a HQ com o pé no chão.

A arte de Clowes é um caso à parte. Segue a escola do underground norte-americano, com linhas bem marcadas, mas se diferencia por um visual mais limpo. A escolha de trocar um sombreado detalhado (como o de Robert Crumb, por exemplo) por massas em um tom verde pálido funciona perfeitamente.

Mesmo com suas limitações – a marcação de todos os contornos, principalmente nos rostos deixa os personagens com uma idade indefinida e dá uma aparência mais velha às adolescentes -, o visual de Clowes influencia artistas até hoje.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.