O Amante de Lady Chatterley

Por Marcus Ramone
Data: 19 dezembro, 2008

O Amante de Lady ChatterleyEditora: Círculo do Livro) – Edição especial

Autores: D. H. Lawrence (texto original) e Hunt Emerson (adaptação, roteiro e desenhos).

Preço: Variável (edição disponível somente em sebos)

Número de páginas: 56

Data de lançamento: 1990 (1ª edição)

Sinopse

Adaptação em quadrinhos do romance homônimo escrito no final da década de 1920 por D. H. Lawrence. O Amante de Lady Chatterley se passa na Inglaterra e narra a história da jovem Constance (carinhosamente chamada de Connie), recém-casada com Clifford Chatterley, abastado barão que volta inválido do front da Primeira Guerra Mundial.

Ao saber que o marido não poderá mais fazer sexo pelo resto da vida, Connie se torna uma adúltera que “ataca” qualquer homem que desperta nela o mínimo de desejo. Nesse jogo, os amigos da família são os principais alvos da baronesa, que vive em uma isolada propriedade rural.

Entretanto, quando conhece Mellors, um truculento, iletrado e mal-educado caçador que serviu na guerra como tenente, Lady Chatterley por ele se apaixona e passa a levar a cabo todas as suas mais íntimas fantasias sexuais, até que o caso amoroso é descoberto e ela é forçada a se esconder na Escócia. Não sem antes engravidar.

Positivo/Negativo

A julgar pela sinopse acima, pode até não parecer, mas esta é (também) uma HQ de humor.

O romance original do escritor britânico D. H. Lawrence, essencialmente erótico e insultante, foi publicado pela primeira vez na Itália, pois estava proibido de circular no Reino Unido.

Somente em 1960, depois de mais de 30 anos, finalmente foi lançado na Inglaterra, e em poucas semanas se tornou a primeira obra literária incriminada pelo Decreto de Publicações Obscenas, que naquele país censurou vários livros, tirando-os de circulação ou impedindo seus lançamentos.

Nesta adaptação para as HQs, o inglês Hunt Emerson não amenizou o erotismo, os palavrões ou a intenção deliberada de chocar e destruir as bases de instituições que a sociedade preza, como a família e o casamento.

A diferença é que o texto foi transformado em uma sensacional e escrachada comédia, cujo humor é provocado não apenas pelo prazer diabólico que a iconoclastia às vezes desperta.

Os desenhos caricatos (embora com anatomia realista o suficiente para instigar a libido do leitor nas poses de nu e cenas de sexo explícito), fazem rir nas expressões afetadas e gagsvisuais que, com o artifício do exagero, passam os sentimentos e as sensações dos personagens de forma contundente, sem a necessidade de abusar dos recordatórios ou diálogos.

Exemplos disso são os quadros em que Connie idealiza Mellors como um lorde limpo, cheiroso, elegante e fino, exatamente o oposto do que ele é. Nessas cenas, um balão de pensamento da mulher, com sua concepção visual romântica do amante, aparece “colado” em cima da imagem real do homem.

Toda em preto-e-branco, a arte do álbum é uma atração à parte. Emerson domina luz e sombra como poucos, um qualidade que transparece naturalmente pela necessidade narrativa da trama.

O traço é forte, com linhas grossas que delimitam cada elemento sem esforço, além de tão detalhista que vale a pena o leitor perscrutar cada canto dos quadrinhos, mais ainda nos painéis de página inteira, para apreciar melhor o conjunto.

A edição também apresenta um texto introdutório em que são reproduzidas várias frases colhidas de depoimentos do julgamento de D. H. Lawrence. Na lista, um trecho do despacho do juiz que inocentou o escritor e sua obra: Há um direito de expressar a si mesmo, tanto na pintura como na literatura. Há uma diferença considerável entre o que choca e desagrada e o que perverte e corrompe.

Lançado há quase 20 anos pelo Círculo do Livro em formato magazine, capa dura, miolo em papel especial e edição limitada, O Amante de Lady Chatterley está fora do catálogo da editora e se tornou um item raro na lista de procura dos aficionados por quadrinhos europeus.

A dica para os colecionadores é que a edição da L&PM, publicada em 1988 e sem acabamento de luxo, é facilmente encontrada em sebos e sites de leilão.

Classificação

5,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.