O Livro de Ouro do Recruta Zero – Volume 1

Por Marcus Ramone
Data: 28 novembro, 2014

O Livro de Ouro do Recruta Zero – Volume 1Editora: Pixel Media – Edição especial

Autor: Mort Walker (texto e arte).

Preço: 16,90

Número de páginas: 128

Data de lançamento: Maio de 2014

Sinopse

Coletânea de tiras estreladas pelo Recruta Zero e a “Companhia A” do Quartel Swampy.

Positivo/Negativo

São 64 anos conquistando fãs em diversos países. Em alguns deles, como o Brasil, o Recruta Zero construiu uma história de sucesso editorial em jornais e revistas em quadrinhos, cujo ápice se deu nos anos 1980, período em que o personagem foi título de várias publicações – dentre almanaques, superalmanaques, edições especiais, coleções de tiras e, claro, gibis mensais – e consolidou o estilo gráfico adotado até hoje.

É exatamente dessa época que vêm as mais de 360 tiras reunidas neste primeiro volume de O Livro de Ouro do Recruta Zero, uma nova coleção que chega mostrando que o impagável soldado raso ainda mantém um público cativo no País.

Dividida por temas (ou títulos, como se fossem histórias corridas), a diversão começa com um texto escrito pelo cartunista Otacílio D’Assunção, o Ota – fã declarado do Recruta Zero e roteirista de várias HQs do personagem na década de 1980 –, contando a origem da famosa e longeva série de tiras, além de curiosidades sobre ela, incluindo sua trajetória no Brasil.

Pelo álbum, que tem formato diferenciado e miolo com páginas coloridas em papel couché, segue um desfile de tiras com diagramação arrojada, cuja qualidade explica a longevidade da série.

Ali estão as sacadas irônicas do Recruta Zero e seus acessos de preguiça crônica; a truculência, ora ingênua, ora agressiva (mas sempre engraçada) do Sargento Tainha; o sexismo nas participações da Dona Tetê; a incompetência administrativa do General Dureza; as investidas nem sempre românticas do mulherengo Quindim; a falta de higiene do cozinheiro Cuca e aquilo que, ao sair de suas panelas, ele gentilmente batiza de refeição; além de uma gama de personagens – como o parvo Dentinho, o culto Platão, o pueril Tenente Escovinha e muitos outros – que continuam fazendo do Quartel Swampy um lugar eternamente ignorado pelo Pentágono.

Completando a edição, uma breve biografia de Mort Walker, criador dessa turma e ainda participando ativamente da produção das tiras publicadas em centenas de jornais mundo afora.

A tradução dos textos foi feliz em adaptar algumas expressões para a época atual (como a citação às lan houses), diminuindo possíveis riscos de rejeição por parte das novas gerações de leitores. Mas ficou estranho usar o real como moeda corrente num universo em que os próprios personagens se revelam cidadãos dos Estados Unidos e integrantes de uma unidade do exército locada no país.

Fica também registrado o erro de patente do malandro Cosme (cujo nome original, Cosmo, foi usado nesta edição), que é um simples recruta, não um cabo, como informado no texto de abertura.

Desde o fim da era RGE/Globo, no início da década de 1990, os quadrinhos do Recruta Zero passaram por várias editoras, sempre com curta duração e vivendo um novo longo hiato nas bancas, entre cada mudança de casa.

Por esse motivo, vale destacar o bom desempenho do personagem na Pixel, que desde 2012 mantém o gibi mensal circulando regularmente e apostou nesta coleção, que não encontra similar nem mesmo na fase áurea do Recruta Zero no Brasil.

Classificação

4,5

• Outros artigos escritos por

.