OS GRANDES CLÁSSICOS DE TEX # 3

Por G. G. Carsan
Data: 1 dezembro, 2006


Título: OS GRANDES CLÁSSICOS DE TEX # 3 (Mythos
Editora
) – Revista bimestral
Autores: Giovanni Luigi Bonelli (roteiro), Galep (desenhos e capa).

Preço: R$ 14,90

Número de páginas: 256

Data de lançamento: Junho de 2006

Sinopse: No começo, Tex era um jovem com senso de justiça que aplicava a lei com as próprias mãos. Por isso, foi injustiçado, ganhando o rótulo de fora-da-lei. Nesta primeiríssima aventura, ele salva a índia Tesah da perseguição de um grupo de bandidos liderado por Coffin e ajuda-a a proteger um fabuloso tesouro.

Na seqüência, é acusado da morte de um batedor do exército e luta contra uma grande quadrilha denominada A Mão Vermelha, que lhe dá muito trabalho.

Segue então sua jornada solitária para El Paso, onde se depara com El Diablo e protagoniza vários tiroteios à luz do dia com pistoleiros das mais variadas estirpes e consegue vencer a todos, somando medo e admiração.

Ali conhece Jeff, o ranger que o leva até Marshall e faz o convite para se juntar ao Corpo de Rangers, momento em que conhece aquele que virá a ser seu grande parceiro, Kit Carson.

A primeira aventura como ranger é pegar Bill Mohican, que raptou Florecita, filha de um bandido já justiçado.

A notícia da morte de Jeff atinge o herói como uma bala. Tex segue a pista dos bandidos até Silver City, cidade ribeirinha do Rio Gila, onde acontece um tiroteio contra a horda de pistoleiros sob o comando de Bud Lowett e Marie Gold.

Depois, o bando de Kid Billy causa terror roubando manadas e fazendo-as sumir sem deixar vestígios. Tex arma um plano ousado para descobrir o modus operandi e consegue se infiltrar no meio de uma manada, para atingir seus objetivos.

Positivo/Negativo De maneira oficial, os leitores mais novos conhecerão a primeira aventura de Tex, como se iniciou o mito, como conheceu Kit Carson e como se firmou no coração dos milhares de fãs em vários países.

Salvação para quem estivesse em perigo, para quem sofresse com autoritarismo, que tivesse seus direitos subtraídos… Tex chegou para colocar ordem no Oeste. Sempre pronto para acionar seus revólveres certeiros, conquistou o patamar da lei e colocou a sua vida a serviço da justiça.

Sem medo de nada e de ninguém, temido pelos fora-da-lei, rápido no gatilho, atirador infalível, ele varreu o Oeste e assinou seu nome com o colt justiceiro. Enquanto os pistoleiros agiam com a vontade de pará-lo, tombavam diante da sua perícia e os chefões eram surpreendidos pela sua rapidez e determinação.

O texto de G. L. Bonelli é rápido, cativante, envolvente. Ele logo coloca uma garota bonita, pura e sensual para contracenar com o herói. E Galep consegue mostrar tudo com muita qualidade. Depois vem a presteza do cavalo Dinamite, outro companheiro “das antigas”.

As frases de efeito também servem para contaminar o leitor. A placa “El Diablo matou, Tex Willer vingará” fica na mente para sempre. A participação de Joan Baker chama a atenção para a rebeldia própria da época. E Marie Gold fecha o clima de mulher bonita e importante, bandida, que se encanta com o charme do inimigo e passa para o seu lado.

As histórias curtas, com 32 tiras, permitiam ação e reação em tempo recorde, sem qualquer perda de tempo, tudo para deixar o leitor sem fôlego.

A edição começa com duas matérias para informar os novos leitores como surgiu Tex e sua longa cavalgada, na Itália, no Brasil e na Argentina, com números, curiosidades e façanhas do grande representante do western nos quadrinhos mundiais.

A capa deriva do Tex italiano 2 – Uno contro venti, cujas cores foram alteradas, deixando a poesia de lado e se colocando mais próxima da realidade (céu azul no lugar do amarelo; chapéu do bandido verde-veludo no lugar de róseo). Ponto para a editora, que também fez acabamento de primeira em todos os itens, incluindo um editorial na segunda capa.

Uma revista de qualidade indiscutível e obrigatória para os fãs – novos e antigos – do ranger.

 

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.