OS PODEROSOS VINGADORES # 16

Por Zé Oliboni
Data: 1 dezembro, 2005


Título: OS PODEROSOS VINGADORES # 16 (Panini
Comics
) – Revista mensal

Autores: Os Poderosos Vingadores – A Grande Fuga – Geoff
Johns (roteiro) e Oliver Coipel (desenhos);

Os Poderosos Vingadores – Tufões – Geoff Johns (roteiro) e Steve
Sadowski (desenhos);

Thor – O fim está próximo – Dan Jurgens (roteiro) e Tom Mandrake
(arte);

Thor – Os Portões do Infinito – Dan Jurgens (roteiro) e Max Fiumara
(arte);

Capitão América – Dave Gibbons (roteiro) e Lee Weeks (desenhos).

Preço: R$ 6,90

Número de páginas: 96

Data de lançamento: Maio de 2005

Sinopse: Enquanto Warbird e Feiticeira Escarlate se esforçam para
conter a nuvem tóxica, cabe ao Pantera Negra deter o Caveira Vermelha.

Os humanos cansaram da presença de Thor na Terra e partem para o ataque
contra Asgard.

Capitão América foge do Caveira Vermelha e fará tudo para salvar o mundo
dominado pelo Nazismo.

Positivo/Negativo: Houve uma boa melhora nas histórias desta edição
de Os Poderosos Vingadores, mas, infelizmente, a revista continua
sendo vítima de maus tratos editoriais: uma das histórias dos Vingadores
novamente foi cortada pela metade.

Capitão América está naqueles momentos dos O que aconteceria
se…
, em que se mostram os diversos outros personagens e como a situação
influenciou cada um. Isso é sempre divertido e a caracterização do Quarteto
Fantástico ficou ótima. Os desenhos continuam mantendo um bom nível.

Finalmente aconteceu algo em Thor. Depois de meses em uma situação
estacionária, uma certa convulsão que não mudou nada no arco Sem
Saída
, o levante dos humanos contra o Deus do Trovão e a destruição
de Asgard esquentaram a trama com muita ação e um certo suspense para
com o que virá depois.

Apesar da alta rotatividade dos desenhistas, os dois deste número têm
um estilo parecido e competente, mesmo não se destacando por nada em especial.

Zona Vermelha não foi um dos melhores arcos dos Vingadores e chegou
a ter momentos bem fracos, mas seu final foi excelente considerando o
trabalho que fez com cada Vingador e a forma que afetou suas vidas. É
aquele tipo de história que abre caminho para algo que tem tudo para ser
muito bom.

A segunda aventura, por estar cortada pela metade, prejudica qualquer
comentário sobre sua trama, pois não se consegue saber o que o roteirista
gostaria de fazer, prejudicando a compreensão. Contudo, vale destacar
a cena de sexo bizarro do casal Vespa e Hank Pym que, apesar de engraçada,
foi desnecessária e na época causou furor nos Estados Unidos.

Sobre o desenho Steve Sadowski, ele não é tão solto e agradável como o
que vinha sendo feito por Oliver Coipel, mas tem seus bons momentos.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.