Sandman – Fábulas e Reflexões

Por Ricardo Malta Barbeira
Data: 13 abril, 2007

Sandman - Fábulas e ReflexõesEditora: Conrad Editora – Edição especial

Autores: Neil Gaiman (roteiro), Bryan Talbot, Stan Woch, P. Craig Russell, Shawn McManus, John Walkiss, Jill Thompson, Duncan Eagleson, Kent Williams, Mark Buckingham, Vince Locke, Dick Giordano, Daniel Vozzo, Digital Chameleon, Sherilyn Valkenburgh (arte) e Dave McKean (capas).

Preço: R$ 66,00

Número de páginas: 272

Data de lançamento: Novembro de 2006

Sinopse

Em nove contos fantásticos, é mostrado o quão tênue e pueril são os limites entre o que julgamos real e aquilo de que são feitas as lendas.

Positivo/Negativo

Este encadernado reúne Sandman # 32 a 40, 50, além de Sandman Special # 1 e Vertigo Preview.

São todos contos fechados em si por definição, mas tão extraordinários em seus desdobramentos, que nada mais são do que um sonhar de olhos bem abertos.

O primeiro deles, Medo de Cair, é um aperitivo tirado de Vertigo Preview. Apesar de ter uma mensagem que remete a velhos chavões hoje encarados como auto-ajuda, dá uma boa idéia do que é o Sandman de Neil Gaiman para os não-iniciados em seu universo.

A coisa começa a ficar séria – leia-se histórica – com Três Setembros e um Janeiro. O que se inicia como uma disputa entre Sonho e suas três irmãs mais novas, Desespero, Delírio e Desejo, revela-se como uma belíssima metáfora, jogando luz no que motiva o ser humano.

Saber que Joshua Abraham Norton, realmente existiu, e que quando não via mais motivos para continuar vivendo, se auto-proclamou como Norton I, imperador dos Estados Unidos, é muito mais pungente do que a própria aposta.

Nas palavras de Delírio: “sua loucura o mantém são”; e na resposta de Morpheus: e você crê que ele é único, minha irmã? há uma verdade tão crua, que por vezes o ser humano prefere ignorá-la.

Já em Termidor, Gaiman abandona o lado universal utilizado até aqui e escancara sua visão política da Revolução Francesa. Robespierre é retratado da maneira mais psicótica possível, e o resultado é, acima de tudo, um alerta contra supostos salvadores revolucionários que se utilizam dos meios mais reacionários possíveis para adequar o mundo à sua visão restrita do que é certo e errado.

A seguir vem A Caçada, que trata de uma lenda contada nos dias atuais como um relato daquilo que pode ou não ter acontecido. Magia pura.

Agosto mostra o início do apogeu do império romano. Pelo ponto de vista do anão Lício, o leitor toma conhecimento do verdadeiro César Augusto e de tudo que ele acreditava e temia em Roma.

Regiões Abstratas é um conto idílico sobre Marco Polo e o que seriam suas expedições pelo Oriente.

Em meio a tantos momentos brilhantes, A Canção de Orpheus é o ápice de Fábulas e Reflexões.

Apropriando-se do mito de Orpheus, Gaiman constrói uma fábula grandiosa, misturando elementos da mitologia grega como Eurídice, Aristeu, Hades e Perséfone aos Perpétuos Sonho, Morte, Destino, Destruição, Desejo, Desespero e Delírio.

Uma incursão do pequeno Daniel ao mundo dos sonhos é o mote de O Parlamento das Gralhas. Histórias são contadas, mistérios são revelados e um pouco mais do Sonhar é apresentado aos leitores.

Com uma esplêndida arte de P. Craig Russell, Ramadã fecha a edição como um episódio desconhecido d’As Mil e Uma Noites. Harun Al-Rashid é o califa de Bagdá e, sentindo um incômodo que não consegue precisar, resolve conservar pela eternidade toda a beleza e glória de seu reino.

Como extra, há uma boa introdução escrita pelo escritor Gene Wolfe, além de várias notas exclusivas da versão nacional.

No sexto encadernado da série, a Conrad continua realizando um primoroso trabalho, dando a Sandman a condição de uma das mais belas coleções já publicadas em terras brasileiras.

Classificação

5,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.