Sandman – Noites Sem Fim

Por Marcus Ramone
Data: 26 julho, 2004

Sandman - Noites Sem FimEditora: Conrad Editora – Edição especial

Autores: Neil Gaiman (roteiros); Glenn Fabry, Milo Manara, Miguelanxo Prado, Frank Quitely, P. Craig Russel e Bill Sienkiewicz (desenhos).

Preço: R$ 54,00

Número de Páginas: 160

Data de lançamento: Dezembro de 2003

Sinopse

Álbum especial em sete capítulos, apresentando os irmãos Perpétuos em histórias inéditas.

Morte – Uma estranha dimensão na qual a Morte não entra e um excêntrico conde a esnoba. Desenhos de P. Craig Russel.

Desejo – Em alguma época não mencionada do tempo, uma mulher procura a andrógina Desejo para conseguir conquistar o homem por quem se apaixonara. O preço a pagar, porém, foi caro demais. Desenhos de Milo Manara.

Sonho – Novos fatos do passado de Sandman são revelados nesta inusitada história que o Sol conta para a Terra. Desenhos de Miguelanxo Prado.

Desespero – 15 situações do mais puro desespero, que leva à loucura e à morte. Desenhos de Barron Storey e design de Dave McKean.

Delirium – Sonho, o cão Barnabas e o corvo Mathew ajudam uma mulher aprisionada em sua própria loucura. Desenhos de Bill Sienkiewicz.

Destruição – Arqueólogos encontram artefatos do futuro enterrados numa ilha. Desenhos de Glen Fabry.

Destino – O Perpétuo mais enigmático fala do assustador livro do Destino e de seus irmãos. Desenhos de Frank Quitely.

Positivo/Negativo

Quando Neil Gaiman recriou Sandman, a pedido da DC Comics, no final da década de 80, nem ele ou a editora poderiam imaginar o culto que se formaria em torno do personagem e seu universo, alcançando sucesso em países tão distintos como Brasil, Coréia, Polônia e tantos outros.

Revolucionando os quadrinhos com suas referências literárias, históricas ou filosóficas, a sérieSandman foi publicada entre 1988 e 1996, sendo descontinuada apenas pela vontade de seu autor, que resolveu parar antes de chegar a ponto de se cansar de escrevê-la, segundo suas próprias palavras.

Sete anos após o término da série, e com o mito de Sonho e seus irmãos ainda vivo em republicações, sites temáticos, listas e fóruns de discussão na internet, Neil Gaiman reuniu um invejável time de artistas para conceber uma obra que, definitivamente, elevou os quadrinhos ao patamar de literatura.

Noites sem Fim é um álbum de luxo que arrolou elogios de conceituados jornais e revistas no mundo, e chegou a figurar na lista dos mais vendidos do New York Times, um feito raro para um livro de quadrinhos. No Brasil, ganhou o HQ Mix nas categorias Edição Especial Estrangeira e Projeto Editorial.

Os sete capítulos, um para cada Perpétuo, mostram um Neil Gaiman no ápice criativo, como se o hiato de quase uma década desde a última história de Sandman fosse o tempo necessário para a “recarga” do autor. Os desenhistas, convidados a dedo e com estilos adequados ao conceito de cada personagem, deram vida aos textos deliciosamente caóticos.

Como Milo Manara nas páginas destinadas a Desejo, uma história repleta de sexo e sangue, na qual mesmo nas cenas mais fortes de violência é possível ser tocado pela sensualidade das mulheres desenhadas pelo artista italiano.

Não fica atrás o capítulo de Delirium. Os desenhos e colagens de Bill Sienkiewicz, como não se vê com freqüência em seus trabalhos mais ortodoxos em HQs comerciais, se deixam levar pelo inconsciente alucinado de uma garota mentalmente insana. O resultado é uma viagem visual das mais sombrias.

Outro destaque dessa edição tão qualitativamente completa é o capítulo de Sonho. A história é uma espécie de fábula que mostra o Sol e outras estrelas e planetas personificados numa estranha reunião, da qual os outros Perpétuos também participam.

O último capítulo, Destino, é um conto ilustrado que dá ao leitor não só a sensação de vazio após chegar à última página de uma obra tão impecável, mas também a inquietante certeza de que não se pode fugir daquilo que já está escrito.

A edição apresenta ainda um texto introdutório de Neil Gaiman, as biografias dos autores, e uma lista das sagas publicadas na extinta revista mensal de Sandman. Tudo isso (mais a capa e as apresentações de cada capítulo) ilustrado com as colagens do artista plástico Dave McKean.

Um conselho: Noites sem Fim é para ser lido em doses homeopáticas. Os textos e as artes cheias de nuances devem ser apreciados em todos os detalhes possíveis e são obrigatórios para uma melhor apreciação da obra.

Ponto para a Conrad por ter trazido a obra tão rapidamente ao Brasil. E sorte dos leitores que adquiram exemplares da perfeita segunda impressão de Noites sem Fim, pois na primeira a editora deu uma mancada ao deixar um trecho de um parágrafo da introdução de Gaiman sem final, mandando nos livros uma errata com o pedaço que faltava!

Classificação

5,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.