SOUL EATER # 1

Por Guilherme Kroll Domingues
Data: 1 dezembro, 2012

SOUL EATER # 1

Editora: JBC – Revista mensal

Autor: Atsushi Ohkubo (roteiro e desenhos).

Preço: R$ 10,90

Número de páginas: 200

Data de lançamento: Agosto de 2012

 

Sinopse

Maka é uma “artífice de foice” determinada a transformar a foice sobrenatural Soul Eater na mais poderosa Death Scythe – uma arma que será usada pelo Doutor Morte, o diretor da Academia da Morte para Armas e Artífices Neófitos (AMAAN).

Só que Soul Eater não é simplesmente uma arma, mas também seu parceiro de aventuras, podendo assumir a forma humana quando desejar.

Assim, para conseguir seu objetivo, a garota precisa fazer com que Soul Eater devore a alma de 99 humanos e a de uma bruxa.

Mas ela não é única artífice que está nesse caminho. Também estão nessa empreitada o jovem ninja Black Star, metido a protagonista, e sua foice-parceira Tsubaki; e o filho do Dr. Morte – o obcecado por simetrias Death the Kid – e suas armas-parceiras são as pistolas irmãs Liz e Patti Thompson.

Positivo/Negativo

Soul Eater é uma típica HQ japonesa para meninos. Ou seja, muita ação, aventura, fantasia e erotismo, com esse último elemento aparecendo um pouco mais do que o habitual.

A estrutura é bem semelhante a histórias como Naruto, protagonizada por jovens aprendizes de alguma profissão bélico-sobrenatural. No caso, Soul Eater apresenta artífices de morte e seus parceiros, armas mágicas que podem assumir a forma humana quando bem entenderem, em busca de ceifar 99 almas humanas e a alma de uma bruxa para criar uma Death Scythe, arma que poderá ser usada pelo próprio Dr. Morte.

Os principais personagens são a artífice Maka e sua foice-rapaz Soul Eater, que empresta o nome para o mangá. Eles já capturaram 99 almas humanas, e só falta mais uma, que precisa ser de uma bruxa.

Além deles, outros artífices e armas são apresentadas neste primeiro volume. Ainda não há uma trama maior além da coleta de almas, mas o leitor pode ter certeza de que ela virá.

O universo dos deuses da morte japoneses, os shinigamis, já foi explorado em outras obras, como Death Note e Bleach, mas a pegada aqui é mais cômica. As tiradas de humor são mais físicas, com muito pastelão e trocadilhos bem localizados pelo trabalho de edição. Tem até um “plano infalível” em cena.

De olho nos jovens entrando na puberdade, o mangá aposta em diversas cenas de nudez e bolinação, que não são exatamente imprescindíveis para a história.

Os desenhos são competentes e bem exagerados. Mas o autor Atsushi Ohkubo ainda carece de uma marca que destaque seus traços da maioria dos mangakás, como fazem Eiichiro Oda ou Akira Toriyama.

Ao se juntar todos esses elementos, tem-se em Soul Eater uma divertida HQ juvenil que deve atingir em cheio o seu público.

 

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.