SUPER-HOMEM – O HOMEM QUE TINHA TUDO

Por Samir Naliato
Data: 1 dezembro, 2001

Super-Homem - O Homem Que Tinha TudoTítulo: SUPER-HOMEM – O HOMEM QUE TINHA TUDO (Opera Graphica) – Edição especial

Autores: Alan Moore (argumentos) e Dave Gibbons (arte).

Preço: R$ 9,90

Data de lançamento: Setembro de 2002

Sinopse: 29 de fevereiro, aniversário do Super-Homem. Batman, Robin e Mulher-Maravilha vão até a Fortaleza da Solidão para comemorar com o Homem de Aço, mas ao chegarem encontram o herói numa espécie de transe, e uma planta presa em seu peito.

Os três se perguntam quem poderia ter feito aquilo, e a resposta logo chega. Mongul, que planeja começar seu reinado de terror no universo pela Terra, ataca os três. Enquanto a Mulher-Maravilha luta contra o alienígena, Batman e Robin tentam ajudar o Super-Homem. Mas somente o último filho de Krypton pode se livrar da armadilha, abrindo mão do seu maior sonho.

Positivo/Negativo: A DC Comics já estava desenvolvendo a mega saga Crise nas Infinitas Terras, na qual todos os personagens da editora participariam de um evento cataclísmico e suas histórias recomeçariam a partir do zero, sem toda a confusa cronologia do Multiverso.

Enquanto se aproximava a data do lançamento de Crise, a editora procurava alguém para contar as últimas histórias de seus heróis. Para o Super-Homem, a tarefa acabou sendo dada a Alan Moore, um dos maiores nomes do mercado, que acabou produzindo algumas das melhores aventuras do Homem de Aço em seus mais de 60 anos de idade.

A trama deste especial é, possivelmente, a melhor delas, apesar da mais famosa ser O que Aconteceu com o Homem de Aço? (lançado pela Editora Abril em Superpowers #23, junto O Homem que Tinha Tudo), que a própria Opera Graphica republicará em breve.

O que uma pessoa como o Super-Homem, o ser mais poderoso do mundo, pode desejar que não tenha como conseguir? É justamente isso que Alan Moore explora aqui. Mesmo tendo seus fantásticos poderes, o que ele mais queria era ter uma vida normal, com esposa e filhos, todos vivendo em Krypton.

E ele consegue. Mas o preço disso é viver eternamente preso em um mundo próprio, alheio da realidade. A saída é abdicar de seu maior sonho. Ver uma vida inteira ser destruída. A fúria do herói ao ver que tudo não passava de uma mentira é uma das cenas mais lembradas nos quadrinhos de super-heróis.

Moore aproveita ainda para explorar o mesmo assunto com Batman e Mongul, numa história que vale a pena ser lida e guardada.

Os desenhos de Dave Gibbons estão ótimos, só para variar.

A Opera Graphica resolveu publicar a revista num formato de luxo especial e em preto e branco. É a primeira de uma série de três aventuras do Super-Homem escritas por Alan Moore, que realmente merecem todo esse cuidado. Para isso, a edição de 48 páginas é vendida por R$ 9,90, o que não é nada barato. Pelo contrário.

De negativo, alguns problemas de impressão. Em várias páginas é possível ver o traço de Gibbons apagado. Há também pequenos erros de letreiramento, mas que não chegam a atrapalhar.

Vale lembrar também que Gibbons é o autor da minissérie Os Melhores do Mundo (a arte é de Steve Rude), esquecido no artigo final da edição, que enumera os trabalhos do criador com o Super-Homem.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.