Teen Titans Lost Annual # 1

Por Marcus Vinicius de Medeiros
Data: 25 julho, 2014

Teen Titans Lost Annual # 1Editora: DC Comics – Edição especial

Autores: Bob Haney (roteiro), Jay Stephens (desenhos), Mike Allred (arte-final) e Laura Allred (cores).

Preço: US$ 4,99

Número de páginas: 64

Data de lançamento: Março de 2008

Sinopse

Edição anual “perdida” da Turma Titã dos anos 1960, em que o presidente John F. Kennedy é abduzido por uma raça de alienígenas, e os Titãs partem em missão de resgate.

Positivo/Negativo

Pensado inicialmente como um especial na linha Elseworlds (Túnel do Tempo, no Brasil), este Teen Titans Lost Annual foi vendido como uma história da equipe cujo texto ficou perdido por décadas e, finalmente, veio a público em 2008.

A data de lançamento coincidiu com a da minissérie Teen Titans – Year One, mas a verdade é que o “anual perdido” foi uma investida inédita de autores consagrados, resgatando o espírito de tempos pregressos.

Bob Haney, conhecido criador da Turma Titã e de tantas boas histórias da Era de Prata dos quadrinhos, aliou-se aos artistas Jay Stephens e Mike Allred para revelar segredos incríveis na celebração de um legado majestoso.

O enredo da aventura esquecida é uma festa para os saudosistas de plantão, mas deve agradar também aos fãs dos Titãs em suas encarnações posteriores e entusiastas de um pensamento mais absurdo com super-heróis. Típica HQ em que tudo pode acontecer, como há muito vem fazendo falta na indústria.

Verdade que os Titãs alcançaram mesmo o ápice da popularidade apenas na década de 1980, pelas mãos de Marv Wolfman e George Pérez. Foi a fase áurea do grupo, com sagas inesquecíveis. Mas também é inegável o charme dos primeiros anos da Turma Titã, uma época mais inocente e não menos encantadora. E que foi o foco dos autores em Teen Titans Lost Annual.

Aqui, os idealistas Robin, Kid Flash, Ricardito, Aqualad e Moça-Maravilha precisam resolver um dos casos mais difíceis e importantes de sua carreira, numa viagem alucinada pelos anos 1960, com o tempero apimentado dos tempos modernos.

Mesclando sensibilidades clássicas e contemporâneas, a edição acerta em cheio. O time de criadores estabelece de imediato o propósito dos heróis e a ameaça alienígena da vez, mas novas surpresas não tardam a surgir. Para deleite dos fãs.

Ninguém imaginou que a bela Moça-Maravilha poderia se apaixonar por um dos aliens e se voltar contra os companheiros de equipe, mas o imprevisível é justamente a marca registrada do roteirista Bob Haney. Na tradição de uma época marcada por devaneios criativos, Robin e companhia não têm descanso.

Melhor ainda é a forma como a trama lida com o assassinato de John F. Kennedy, grande trauma estadunidense. É a inserção de um fato histórico no mundo ficcional dos superpoderes, precisamente executada. No lugar dos draminhas adolescentes estilo soap opera, diversão maluca que nunca sai de moda. Se ao menos se pudesse ter gibis assim todos os meses nas bancas…

Nostalgia é um elemento essencial nos quadrinhos de super-heróis, já que artistas e editoras buscam o resgate de glórias passadas para turbinar um presente nem sempre ideal. Só que nem sempre a tendência funciona e, muitas vezes, o resultado é um pastiche vazio e amorfo.

Com o trabalho de Haney, Stephen e Allred, no entanto, o talento fala mais alto, tanto no texto como na arte.

As ilustrações de Jay Stephens finalizadas por Mike Allred funcionam bem, são dinâmicas e expressivas na medida certa, no estilo sessentista dos parceiros juvenis da DC Comics. Um bônus é a capa assinada por Nick Cardy, o desenhista original da Turma Titã. E ele marca presença também em sete páginas de esboços em preto e branco, de diferentes momentos de sua carreira.

Leitores mais novos podem considerar tudo ridículo e datado, acostumados que estão ao tom mais cínico e violento. Contudo, aqueles que decidirem experimentar a revista com a mente aberta vão se divertir pra valer, cumprindo assim o objetivo primordial dos bons quadrinhos.

Classificação

4,0

• Outros artigos escritos por

.