A Teia do Aranha # 1

Por Guilherme Kroll Domingues
Data: 21 dezembro, 2005

A Teia do Aranha # 1Editora: Editora Abril – Revista mensal

Autor: Stan Lee (roteiro) e John Romita (desenhos).

Preço: NCz$ 10,00 (preço da época)

Número de páginas: 64

Data de lançamento: Outubro de 1989

Sinopse

Primeiro número da famosa revista A Teia do Aranha, que se propunha a republicar histórias antigas do herói aracnídeo.

Essa primeira edição traz o equivalente às americanas Amazing Spider-Man # 53# 54 e # 55, de outubro a dezembro de 1967, que contam a primeira parte de um arco de histórias de um embate entre o Aranha e o maléfico Dr. Octopus.

Positivo/Negativo

A qualidade de edição destoa da maioria das revistas mensais da Abril na época, sobretudo pelo formato, bem maior que os tradicionais gibis.

A capa e o miolo têm um tratamento gráfico satisfatório, e a revista ainda traz uma pequena sinopse das edições originais em inglês, inclusive com data de publicação. Para fechar, um editorial contando que o título havia sido planejado para ser em preto-e-branco, mas, a pedido dos leitores, os editores mudaram para colorido na última hora.

As histórias se passam no período em que Peter ainda é um jovem estudante na faculdade, divide um apartamento com Harry e seu rolo com Gwen vai tomando forma.

Os roteiros de Stan Lee, apesar de não terem o grau de complexidade que estamos acostumados hoje, são muito bem bolados e divertidos. E John Romita mostra toda sua desenvoltura na arte. Não é à toa que ele sempre estará no hall dos maiores desenhistas do Homem-Aranha e da Marvel.

Tudo na edição reflete à Era de Prata dos quadrinhos, muito mais ingênua do que os sisudos dias atuais. Nas lutas nunca há nenhum vestígio de sangue. O Dr. Octopus tem até capangas mascarados e um quartel-general, o que não o impede de alugar um quarto na casa da Tia May pra fugir da polícia!

Os recordatórios do gibi são um espetáculo a parte. Eles eram muitos usados para chamar o leitor a comprar as próximas edições, portanto, cada vez que algo crítico está para acontecer, surgem narrações hilárias, como quando Octopus vai alugar o quarto da casa da Tia May: “Agora, vamos ver quanto suspense você pode agüentar…”.

Curiosidade: na segunda história do volume, Peter é apresentado a um importante personagem da mitologia do herói, o editor (na época apenas de cidades) do Clarim Diário, Joe Robertson.

Classificação

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.