Tex Gigante # 4 – Chumbo Ardente

Por Sidney Gusman
Data: 17 abril, 2001

Tex Gigante # 4 - Chumbo ArdenteEditora: Editora Mythos – Edição Especial

Autores: Argumentos de Claudio Nizzi e arte de Sergio Zaniboni

Preço: R$ 7,90

Data de lançamento: Abril de 2001

Sinopse

Tex e Kit Carson vão a uma pequena cidade, onde conhecem o xerife, um velho amigo da dupla, para arranjar um cavalo para Kit, o filho do ranger.

Quando chegam lá, o xerife está em apuros, tentando evitar que Morgan Slattery, o “dono” da cidade (ele é responsável pelos principais negócios do local), enforque um homem que, em legítima defesa, matou um de seus capangas.

Claro que os pards compram a briga, o que deixa toda a população amedrontada, pois Slattery usa todos os métodos possíveis para fazer vale a sua vontade, nem que isso signifique deixar uma trilha de corpos pelo caminho.

O argumento de Nizzi foge à tradicional troca interminável de tiros (ela existe, porém, em menor escala), para dar lugar à astúcia de Tex para ludibriar seus inimigos e conseguir livrar a cidade do jugo de Morgan Slattery.

Positivo/Negativo

Muitos leitores trocem o nariz à simples menção do nome Tex. Mas as edições gigantes sempre trazem histórias bem agradáveis, tal qual um bom filme de western. Com um grande chamariz: geralmente, os desenhistas são “convidados especiais”, que, por jamais terem trabalhado com o personagem, dão um charme especial às obras.

Em Chumbo Ardente, isso se confirma. O italiano Sergio Zaniboni (que trabalhou em séries como Diabolik, Speedy Car e Pam e Peter), com seu traço limpo e claro, proporciona a Tex e seus pards um visual bastante agradável, com destaque para os cenários. Curiosidade: Zaniboni rejeitou o convite de Sergio Bonelli para fazer um Texone (como essas edições são chamadas na Itália), por não querer desenhar cavalos!

No entanto, faltou um pouco de “atenção editorial” da Mythos, para passar ao leitor algumas informações que só enriquecem a edição. Tratam-se de algumas homenagens feitas por Zaniboni, que, no final da história, coloca várias pessoas ligadas ao universo de Tex como personagens coadjuvantes. Na página 229, por exemplo, no terceiro quadrinho, estão Aurélio Galleppini (o maior desenhista do personagem), Sergio Bonelli (o dono da Sergio Bonelli Edittore) e Claudio Nizzi (o roteirista da edição). Além disso, faltou um texto explicando que a capa (feita para esta edição) não era inédita no Brasil, porque a Editora Globo a usou, de maneira equivocada, numa edição de Tex Colorido, em 1991.

Classificação

3,5

Homenagem a Aurélio Galleppini, Sergio Bonelli e Claudio Nizzi

• Outros artigos escritos por

.

.

.