Tex Gigante # 5 – O Pueblo Perdido

Por Sidney Gusman
Data: 28 julho, 2001

Tex Gigante # 5 - O Pueblo PerdidoEditora: Editora Mythos – Edição Especial

Autores: Claudio Nizzi (texto) e Giovanni Ticci (arte)

Preço: R$ 7,90

Data de lançamento: Segundo semestre de 2000

Sinopse

No México, um bando de malfeitores por um a invade uma aldeia indígena e seqüestra um velho feiticeiro e sua neta. Eles querem saber se o mapa que um outro “homem branco” lhe mostrou, dias atrás, era verdadeiro. Tratava-se da localização de Pueblo Perdido, um povoado mitológico, que, segundo as lendas, abrigava os tesouros dos jesuítas que viveram entre os “peles-vermelhas”, há mais de cem anos.

Tex e Kit Carson ficam sabendo do caso e decidem investigar. Nem é preciso dizer que, após “extraírem” informações de alguns sujeitos de índole duvidosa (na base a pancada, claro) e seguirem várias pistas, os pards encontram o rumo dos bandidos. Começa, então, uma perseguição implacável, que resultará em muita ação.

Até chegar ao Pueblo Perdido, Tex e Carson se deparam com diversas atrocidades cometidas pelos facínoras, como deixar um homem amarrado ao sol, com os braços e pernas abertas, e com as pálpebras cortadas!

Tex terá que usar toda sua astúcia e agilidade para resolver este caso, pois, além de derrotar os bandidos, terá que escapar às armadilhas do Pueblo Perdido, que são dignas dos filmes de Indiana Jones.

Positivo/Negativo

É uma pena que muitos leitores nutram um preconceito bobo quanto às histórias de Tex, pois isso os impede de conhecer obras de excelente nível, como as aventuras das edições gigantes.

A pesquisa realizada pelo roteirista Claudio Nizzi é maravilhosa. Ele constrói uma trama muito bem amarrada, toda baseada nas peculiaridades dos povos envolvidos. Assim, a história é permeada de crendices, superstições e termos próprios dos anasazes, os índios que habitavam o México.

Além disso, nas primeiras que precedem a aventura, como em todo Tex Gigante, há uma série de textos importantíssimos para a melhor compreensão dos leitores. Algo altamente enriquecedor. Nesta edição, até mesmo as aldeias rupestres (similares ao Pueblo Perdido) construídas pelos índios locais são dissecadas.

Nos Tex Gigante, geralmente, o desenhista é um “convidado especial”, alguém que jamais desenhos o personagem. Nesta edição, não! Atendendo a um pedido de Giovanni Ticci (um dos maiores artistas do ranger), Sergio Bonelli concedeu-lhe esta honraria. E não se arrependeu, certamente, pois o traço de Ticci é belíssimo e cheio de detalhes. Também é fácil verificar a pesquisa visual que ele realizou, desenhando verdadeiros cartões postais, mesclados com cenas de ação ininterrupta.

Este Tex Gigante é uma daquelas edições que quem não leu, não sabe o que está perdendo.

Classificação

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.