The End Of The Fucking World

Por Vitor Mazon
Data: 18 dezembro, 2019

The End Of The Fucking WorldEditora: Fantagraphics – Edição especial

Autor: Charles Forsman (roteiro e arte).

Preço: US$ 19,99

Número de páginas: 176

Data de lançamento: Agosto de 2017

Sinopse

James e Alyssa se conhecem na escola e logo começam a namorar. Mas o que poderia ser um típico romance adolescente, rapidamente toma um rumo niilista, quando o garoto exibe uma tendência à sociopatia, que ameaça ambos.

Ele passa a se deixar levar por suas fantasias violentas, enquanto Alyssa permanece intencionalmente ignorante, cega pelo primeiro amor.

Positivo/Negativo

Lançada originalmente em 2013, The End Of The Fucking World, ou TEOTFW, é a primeira graphic novel do americano Charles Forsman, que até então vinha ganhando atenção pelo seu zine Oily Comics. Foi nessa publicação que nasceu a história de James e Alyssa, dividida originalmente em 16 capítulos de oito páginas e depois reunidos pelas Fantagraphics em uma única edição.

No primeiro momento, TEOTFW pode parecer uma tradicional história de rebeldia adolescente, mas rapidamente desanda para uma road trip de crimes e perseguição. A cada capítulo, Forsman vai alternando o ponto de vista da trama, de James para Alyssa e vice-versa.

Essa troca de perspectiva mantém a história dinâmica e permite que o leitor conheça mais os dois protagonistas, e isso acaba destacando o olhar de que não há uma perspectiva única sobre o que está acontecendo.

James é um sociopata que mata animais e se machuca em um esforço para sentir qualquer coisa. Alyssa se sente atraída por sua presença silenciosa, que ela confunde por força e segurança.

O garoto tem a consciência de que há algo de errado consigo e quer ser capaz de sentir. Logo no começo, ele pensa em matar Alyssa, mas se segura, dando uma segunda chance para os dois se aproximarem. Essa sequência permite que o leitor veja que há um vestígio de humanidade dentro de James.

Forsman dá voz a um sentimento de tédio e desespero por conexão e significado, sem deixar a leitura estática. Seus personagens fogem das representações tradicionais de adolescentes, mostrando jovens abatidos diante dos medos da vida adulta.

Os diálogos são esparsos, mas certeiros e capazes de mostrar as personalidade, desejos e medos de cada um.

A trama tem uma série de acontecimentos dramáticos, que contrastam com a arte minimalista, clara e altamente influenciada pelo estilo de Charles Schulz. O traço de Forsman permite que o leitor se relacione com os personagens mais rapidamente, sem reduzir o choque das cenas mais violentas. Os painéis geométricos que compõem as páginas, fazem com que a trama se assemelhe a tiras de jornais, mas com um desfecho muito mais trágico.

The End Of The Fucking World encapsula o sofrimento adolescente de uma maneira peculiar e intensamente relacionável. E funciona como um retrato de uma juventude insatisfeita e sem rumo.

No ano em que foi lançada, TEOTFW marcou presença em diversas listas de melhores lançamentos, mas ganhou um novo fôlego no final de 2017, com a adaptação para televisão pelo canal britânico Channel 4, em parceria com a Netflix. A série agradou público e crítica, sendo renovada para uma segunda temporada, ainda sem data de estreia.

Classificação:

4,5

.

Compre este quadrinho aqui!

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • SᗩITᗩᗰᗩ

    Se os diálogos “são esparsos, mas certeiros”, haveria porque de tirar meio balão de nota?
    Foi o único defeito que vi no review e não parece ter influenciado na concatenação em si. Alguém aí pode me explicar?