A travessia

Por Milena Azevedo
Data: 11 abril, 2014

A travessiaEditora: Escrita Fina Edições – Edição especial

Autora: Camila Torrano (roteiro, arte e cor).

Preço: R$ 30,00

Número de páginas: 88

Data de lançamento: Novembro de 2012

Sinopse

Em 1847, quando a Irlanda cai vítima da fome e o desespero se abate sobre o seu povo, a fuga em massa para a América torna-se uma necessidade. O único meio financeiramente viável de seguir em frente são os coffin ships, navios muito velhos e cheios de segredos.

Henry Doyle e Sarah O’Reilly embarcam em um desses navios com o sonho de uma vida melhor em Nova York, mas, durante a travessia oceânica, colocarão à prova a veracidade dos relatos envolvendo o sobrenatural.

Positivo/Negativo

A ilustradora Camila Torrano é fã confessa de histórias de terror e comprovou que domina o gênero em sua graphic novel de estreia, A travessia.

A autora apresenta uma trama que remete a Edgar Allan Poe, uma vez que emprega o suspense e a ironia para tratar a morte e seus desdobramentos.

Ao batizar o navio no qual o Dr. Henry Doyle e a jovem Sarah O’Reilly embarcam para fugir da morte de Caronte (nome do barqueiro que conduzia as almas recém-desencarnadas pelo rio Aqueronte até o Hades, na mitologia grega), já se percebe o cuidado de Torrano em ir trabalhando a ironia de forma sutil, utilizando-a como índice de pontos-chave da trama.

Da mesma forma, o sobrenatural foi tratado a contento, materializado na queda de braço entre o cientificismo e as crendices populares – Sarah expõe os seus medos por acreditar nas lendas marinhas sobre demônios e monstros gigantes. Henry, sendo médico, ridiculariza as histórias que são criadas para explicar o desconhecido, afirmando que tudo não passa de delírios da mente humana.

No entanto, com o passar dos dias, a loucura da estranha tripulação vai se tornando maior até o propósito da viagem ser revelado, colocando em xeque o ceticismo de Henry.

Empregando uma paleta de cores que alterna temas terrosos, azul acinzentado e preto e branco, somando-se a uma arte limpa, expressiva e detalhista, Torrano vai conduzindo o leitor através do macabro, o que é acentuado pelo bom trabalho no letreramento, tornando “palpáveis” sons da natureza, onomatopeias e gritos. E tudo com uma narrativa muito eficiente.

Em seu blog, a autora postou alguns esboços dos personagens e também as referências diretas no conceito visual de cada um, como, por exemplo, alguns integrantes do Metallica e o vocalista da finada banda Oasis, Liam Gallagher.

A travessia faz parte de uma coleção de álbuns de terror da editora carioca Escrita Fina, na qual cada título evoca um dos quatro elementos – aqui, óbvio, a água está em destaque.

Classificação

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.