UNIVERSO MARVEL # 34

Por Zé Oliboni
Data: 1 dezembro, 2008


Autores: Motoqueiro Fantasma – Daniel Way (roteiro) e Javier Saltares (desenhos)

Quarteto Fantástico – Dwayne McDuffie (roteiro) e Paul Pelletier (desenhos);

Thunderbolts – Warren Ellis (roteiro) e Mike Deodato (desenhos);

Hulk – Greg Pak (roteiro) e Carlo Pagulayan (desenhos).

Preço: R$ 6,90

Número de páginas: 96

Data de lançamento: Abril de 2008

Sinopse: Motoqueiro Fantasma – Eventos estranhos acontecem na pequena cidade de Sleepy Hollow. Um jovem rico, mas com um passado questionável, é decapitado e Johnny Blaze aparece coberto de sangue em um campo de golfe.

Quarteto Fantástico – O grupo vai até Epoch resgatar o corpo de Gravidade e tem de lutar com o Surfista Prateado, que conduziu Galactus até ali para se alimentar.

Thunderbolts – Liderado em campo por Rocha Lunar, o grupo captura Jack Flag de forma espalhafatosa e televisionada, fazendo-o parecer um terrível terrorista.

Hulk – Agora que se tornou o Rei Verde, o Hulk precisa começar a reconstruir o planeta e apaziguar os conflitos entre as raças. O passo inicial é ajudar os espinhos a voltarem ao espaço.

Positivo/Negativo: Tirando a intragável história do Motoqueiro Fantasma, Universo Marvel está bacana.

O problema de Motoqueiro Fantasma é o péssimo roteiro. A trama é confusa, sem rumo e parece que o personagem está virando uma espécie de Hulk. Afinal, quando Johnny Blaze fica bravo, dá lugar ao seu alter ego e não consegue se controlar. Uma pena desperdiçarem em um título tão ruim a excelente arte de Saltares.

Quarteto Fantástico começa a ficar confuso. Gravidade ser o novo guardião do universo ainda vá lá, mas Galactus tentar devorar Epoch como se fosse um simples planeta e não uma entidade cósmica é, no mínimo, estranho.

Para piorar, no meio da luta, o Pantera Negra aparentemente pega a nave e vai embora por achar que a derrota é iminente. Espera-se que na próxima edição ele volte com um baita resgate, pois Tempestade achar normal a fuga do marido é algo bizarro.

Pelo menos o desenho é razoável e combina com a série, se virando bem até nas cenas cósmicas.

Hulk tem uma edição para justificar a volta mais do que furiosa do personagem. É mostrado como tudo finalmente está bem para o Gigante Esmeralda. Ele é útil, tem uma esposa e logo terá um filho. Tudo vai bem até a nave em que foi aprisionado e enviado para Sakaar explodir. É uma HQ que cumpre seu papel de deixar o leitor ansioso pelo próximo número.

Em uma grande virada, Thunderbolts, que sempre foi um atraso no mix de Universo Marvel, se torna uma grande atração. A começar pela arte excelente de Deodato. O trabalho dele continua realista e cheio de detalhes. O brasileiro usa muitas referências fotográficas, mas não faz reprodução de imagens, apenas simplifica e retrabalha os traços para que funcionem na trama.

Além disso, a idéia de Ellis para a série é ótima. Nesta edição fica claro o ponto em que o grupo se distingue do Esquadrão Suicida da DC. Enquanto a equipe de vilões da editora concorrente faz atividades secretas, os Thunderbolts são 100% divulgados e a imagem que é vendida está muito longe da realidade. Eles são pintados como exemplos, como heróis, enquanto internamente sabe-se que essa operação é uma bomba prestes a explodir.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.