Valente para o que der e vier

Por Isabelle Felix
Data: 28 novembro, 2014

Valente – Para o que der e vierEditora: Panini Comics – Edição especial

Autor: Vitor Cafaggi (texto e arte).

Preço: 14,90

Número de páginas: 120

Data de lançamento: Outubro de 2014

Sinopse

A história do sonhador cachorro Valente, que aprende, diariamente a arte de lidar com romances, faculdade e festas.

Positivo/Negativo

“E é assim que se começa uma aventura” é a frase encontrada no último quadrinho da primeira tirinha de Valente para o que der e vier. Ela é dita por Esopo, o melhor amigo do protagonista, e já deixa bem claro qual será o ritmo desta edição.

Valente é uma série de tiras que fala da vida social de um cachorrinho, na parte amorosa, escolar e familiar. E, neste volume, Vitor Cafaggi enfatiza sua vida entre amigos.

Nas primeiras páginas, há uma revisão da história até então. Tudo devidamente datado, ajudando os esquecidos e os marinheiros de primeira viagem. Isso é bom, pois dá para começar a ler Valente a partir de qualquer edição.

O tom continua leve e engraçado, se tornando, mais uma vez, um ótimo companheiro de leitura para qualquer momento. Ademais, suas histórias são reflexos da vida cotidiana da maioria das pessoas. Por isso, sempre acontece uma identificação muito forte.

Desta vez, Cafaggi deu predominância à sua veia nerd/pop. Há muitas cenas de sessões de RPG (para a felicidade de Ted, o rato resmungão que gostaria de passar toda a vida jogando, pois, provavelmente, a dele se resume a isso), todas se passando dentro e fora do jogo.

Ou seja, tanto mostrando as cenas de discussão na mesa de RPG (que sempre geram quantidades absurdas de pérolas), como nas quests. E vale comentar: essa parte ficou muito bem ilustrada, pois Cafaggi mudou o seu desenho cartunesco para algo mais detalhado e realista, lembrando a arte dos manuais de RPG, principalmente as de Dungeons & Dragons.

O interessante dessas passagens é o fato de qualquer um conseguir compreendê-las, não se tornando uma piada interna entre jogadores, mesmo que elas existam.

E Valente e seus amigos são os nerds modernos, aqueles que possuem raízes nas nerdices, mas que conseguem (ou tentam) se infiltrar no mundo dos seres “normais”. Porém, claro, alguns têm mais sucesso que outros. Afinal, ser alguém social é algo que requer prática. E isso vai sendo adquirido nas saídas para as boates.

O cenário das festas noturnas merece destaque, pois elas representam bem esse grupo de amigos rpgistas que, simplesmente, não sabem como se portar ali. Ficam sempre parados, conversando entre si, vendo a farra acontecer, os casais serem formados, ensaiando uma paquera, sem terem sucesso.

E, ao final, apesar de nunca saberem o que diabos estavam fazendo ali, afirmam um ao outro que tiveram a noite de suas vidas e têm o dever de repetir a noitada.

A parte mais pop está nas referências deixadas nas tiras, em uma capa de revista ou uma música, todas elas identificadas, mas causando um prazer enorme ao leitor que as nota sem precisar da “pesca”. Existem referências aos filmes Stallone Cobra, Amelie Poulain, à banda Aerosmith (com a música I don’t wanna miss a thing), a quadrinhos de super-heróis e até à boy band Back Street Boys! Sem esquecer, claro, a série cinematográfica Rocky, também protagonizada por Sylvester Stallone.

No quesito amoroso, Valente, de novo, se encontra dividido. Agora, entre a ex-namorada, que acabou o relacionamento enquanto estava em um intercâmbio na Austrália, e Luna, uma garota bonita e descolada da faculdade.

Sua melhor amiga, a Bu, novamente o ajuda a encarar essa situação, dando dicas valiosas, intituladas de “Os três conselhos amorosos definitivos para conquistar o amor eterno da pessoa amada”. Assim, a impulsividade nata do cachorrinho é um pouco controlada, permitindo-o curtir mais as tais festas e seus amigos solteiros.

É muito legal acompanhar a evolução de Valente, em todos os campos de sua vida. A sensação de ver o personagem crescendo e evoluindo é gratificante para quem acompanha a série. O fato de a leitura ser fluida (nesse aspecto, até o formato horizontal do álbum ajuda) e ter um bom timing, mesclando humor com romance, sem ser enjoativo, é que dá ritmo à série e, claro, a esta edição.

A arte simples, porém cheia de movimento e expressão, faz o leitor prestar mais atenção nos desenhos. Detalhes como o protagonista (e também os coadjuvantes) se expressar por meio de uma orelha em pé ou de um rabo balançando, torna a tira completa na sua comunicação.

Como “extras”, a edição traz, nas páginas finais, uma belíssima galeria de desenhos feitos pelos seguintes artistas: Caio Yo, Gustavo Duarte, Thobias Daneluz, Ana Luiza Koehler, Sandro Hojo, Serrrgio, Blenda Furtado, Luciano Salles, Flavio Teixeira de Jesus, Melissa Garabeli, Johnny Brito, João Azeitona e Elisa Kwon. Além disso, há um posfácio escrito por Lu Cafaggi.

Este é o quarto álbum do personagem. Os dois primeiros foram lançados de forma independente e, em 2013, a Panini assumiu a publicação da série, colocando todos os volumes em bancas e livrarias. Valente para o que der e vier é um quadrinho gostoso demais de ser acompanhado, indicado para qualquer tipo de leitor. Além disso, neste volume, é descoberto que o cachorrinho tem bolas…

Classificação

4,5

• Outros artigos escritos por

.

.

.