Vertigo # 42

Por Tiago Pavinato Klein
Data: 19 julho, 2013

Vertigo # 42Editora: Panini Comics – Revista mensal

AutoresHellblazer – Especial de Natal. Feliz ano-novo, caralho! Dave Gibbons (roteiro), Sean Philips (arte) e Van Staples (cores) – Originalmente publicada em Hellblazer # 250;

O carteado de Natal - Jamie Delano (roteiro), David Lloyd (arte e cores) – Originalmente publicada em Hellblazer # 250;

A maldição do Natal - Peter Milligan (roteiro), Eddie Campbell (arte), Dominic Regan (cores) – Originalmente publicada em Hellblazer # 250;

Casa dos Mistérios – “Novas escolhas” – A concepção – Parte 2 de 5 - Mattew Sturges (roteiro), Werther Dell’edera e Enrique Breccia (arte), José Marzan Jr. (arte-final) e Lee Loughridge (cores) -Originalmente publicada em House of Mystery # 32;

Punk Rock Jesus – Êxodo - Sean Murphy (roteiro e arte) – Originalmente publicada em Punk Rock Jesus # 3;

Escalpo – Um chamado para Jesus – Jason Aaron (roteiro), Jason Latour (arte) e Giulia Brusco (cores). Originalmente publicada em Scalped # 43;

Vampiro Americano – A lista negra – Parte 5 de 6 – Scott Snyder (roteiro), Rafael Albuquerque (arte) e Dave McCaig (cores) – Originalmente publicada em American Vampire # 32.

Preço: R$ 10,90

Número de páginas: 128

Data de lançamento: Maio de 2013

Sinopse

Hellblazer - Três histórias curtas publicadas na edição de número # 250.

Casa dos Mistérios – Abel traz de volta a Mansão dos Segredos, uma vez que a Casa dos Mistérios está fora do alcance.

Punk Rock Jesus – Chris é autorizado a estudar em uma escola pública, saindo dos recintos do reality show. Aos poucos, sua personalidade rebelde começa a tomar forma.

Escalpo – Uma história fechada com o xerife Wooster Karnow, que precisa lidar com sua própria trajetória de vida.

Vampiro Americano – Pearl encontra-se em um beco sem saída, ao descobrir uma traição na trama que se desenrola!

Positivo/Negativo

A revista mensal Vertigo traz mais um mês de boas histórias, que fazem valer a compra! Esta edição já começa bem por ter a participação (mesmo que pequena) de Enrique Breccia, como convidado em Casa dos Mistérios.

Filho de Alberto Breccia, Enrique pouco frequenta as bancas e livrarias brasileiras com suas HQs argentinas – há a biografia de Che Guevara (com Oesterheld e Alberto Breccia), publicada pela Conrad, a série Alvar Mayor, ao lado de Carlos Trillo, que saiu na versão brasileira da revista Skorpio, da Vecchi, no final dos anos 1970 e início dos 1980. Fora isso, as colaborações do autor com a Vertigo, como Monstro do Pântano – Amor em vão (lançado pela Pixel) e Lovecraft (Devir), mostram como os artistas hermanos acabam entrando no Brasil mais pela presença em editoras norte-americanas do que por suas obras em seu país natal.

De qualquer modo, é sempre bacana ter a presença de autores como Breccia nas bancas brasileiras, e aqui ele desenha a história dentro da história de Casa dos Mistérios.

A edição continua valendo – e muito – por Punk Rock Jesus. Sean Murphy segue criando um thriller eletrizante. No terceiro capítulo, Chris é autorizado a frequentar a escola pública, saindo dos recintos do reality show. Mas sua personalidade introspectiva gera diversos debates e, após um acontecimento com sua mãe, os primeiros traços de rebeldia começam a aparecer no garoto, apontando para uma virada na história.

Murphy conduz a minissérie com muita qualidade até o momento. Além de ser um grande desenhista, ele se saiu bem no roteiro. Tanto que o resultado é bem superior a obras anteriores que ele apenas desenhou, como Joe, de Grant Morrison.

Vale reparar que esta edição traz pela primeira vez um elemento transcendental à trama, em contraponto à forma sempre mais racional como a religião é vista no título. Falta descobrir se é uma alucinação de uma personagem ou se realmente este aspecto irá aparecer mais à frente.

Escalpo, para variar, se destaca. A história de um xerife que se vangloria de seu passado e de seu trabalho, mas que, de repente, precisa provar se é realmente tudo o que diz de si mesmo. O roteiro aborda o confronto pessoal de um homem com sua própria trajetória de vida.

Jason Aaron segue criando tramas complementares à série, novamente acertando a mão, com um personagem com o qual é possível a identificação – um xerife “comum”, com seus problemas diversos, precisando rever a sua vida.

Vampiro Americano chega à véspera da conclusão de um arco  com uma grande reviravolta. Tudo desmorona para Pearl, apontando para uma conclusão emocionante. Após esta edição, faltarão apenas duas para a pausa feita na série nos Estados Unidos.

Hellblazer tem três histórias curtas, ainda preparando caminho para a fase de Peter Milligan (que já faz uma participação em uma das tramas deste número). E são muito boas, inclusive contendo uma maldição no discurso da rainha da Inglaterra e um tanto de sentimentalismo natalino em uma partida de cartas.

As tramas têm a participação de artistas como David Lloyd e Eddie Campbell, o que enriquece ainda mais a edição.

No geral, segue valendo a pena acompanhar mensalmente a revista Vertigo.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.