Vinland Saga # 1

Por Rodrigo A. Machado
Data: 27 junho, 2014

Vinland Saga # 1Editora: Panini Comics – Revista bimestral

Autor: Makoto Yukimura (roteiro e arte)

Preço: R$ 11,90

Número de páginas: 216

Data de lançamento: Fevereiro de 2014

Sinopse

Thorfinn vive com um grupo de saqueadores buscando oportunidade para cumprir seu objetivo: vingar a morte de seu pai Thors.

Para isso, ele precisa de um duelo com Askeladd, líder do bando e assassino de Thors. Mas para conseguir essa luta, terá que cumprir por algumas exigências.

Positivo/Negativo

Inicialmente, Vinland Saga parece ser uma história sobre batalhas vikings, com saqueadores e piratas que navegam nos mares nórdicos explorando terras com seus navios dragões.

Mas, logo no primeiro capítulo, percebe-se que não é bem isso. Não que não haverá os tradicionais vikings na história, pois existem batalhas, lutas sangrentas e piratas com seus navios com dragões entalhados, mas a trama começa a se focar em alguns personagens, que são nórdicos.

Thorfinn vive com um grupo de saqueadores liderado por Askeladd, e transparece muita raiva e sede de vingança. Mas ele é um garoto com honra e muito habilidoso com adagas, e não quer vingar a morte de seu pai com um golpe em um momento de distração.

O que o jovem deseja é uma luta justa, um duelo com honra e testemunhas. Por isso, Thorfinn se mantém junto a esse grupo de saqueadores.

Nos capítulos a seguir, o leitor volta dez anos no tempo, para conhecer o honrado Thors e a vida de Thorfinn quando criança com sua família em uma vila calma e tranquila, onde em tempos de muito frio seu tio Leif, um pequeno explorador de terras, contava histórias para as crianças.

Embora os pequenos ouvintes não acreditem totalmente nessas histórias, uma delas em especial chamou a atenção de Thorfinn, a que cita um lugar onde a terra é mais quente e fértil, e as frutas eram abundantes. Seu nome era Vinland.

Não se sabe até que ponto as histórias contadas por Leif são verossímeis, mas aparentemente há algo por trás delas, além de Thors esconder coisas nebulosas em seu passado. Isso instiga o leitor a esperar por mais da trama, como, talvez, mostrar detalhes pouco conhecidos dos hábitos vikings.

Os desenhos são bons e combinam com a trama. O roteiro de Yukimura é bem construído e tem pequenas pitadas de humor, o que sugere que o mangá tenha uma pegada um pouco diferente dos shonens conhecidos de hoje.

O trabalho editorial da Panini é competente. Ótima impressão, páginas coloridas, papel de qualidade e boa adaptação. Ponto para a editora por apostar em um mangá pouco conhecido do público brasileiro.

Classificação

3,5

• Outros artigos escritos por

.

.

.