WOLVERINE # 13

Por Zé Oliboni
Data: 1 dezembro, 2006


Título: WOLVERINE # 13 (Panini
Comics
) – Revista mensal
Autores: Wolverine – Greg Rucka (roteiro) e Darick Robertson (arte);

Wolverine – Mark Millar (roteiro) e John Romita Jr. (desenho);

Mística – Sean Mackeever (roteiro) e Manuel García (desenhos);

Arma X – Frank Tieri (argumento) e Tom Mandrake (arte).

Preço: R$ 6,90

Número de páginas: 96

Data de lançamento: Dezembro de 2005

Sinopse: Wolverine – O destino de Nativa é decidido na conclusão de Volta às Origens. E para ajudar um amigo, Logan vai até o Japão, onde cairá em uma terrível armadilha; é a estréia de Inimigo do Estado, marcando o início da aguardada fase de Mark Millar e John Romita Jr.

Arma X – Dentes-de-Sabre é contratado para eliminar um velho conhecido… Nathaniel Essex, o Sr. Sinistro.

Mística tenta matar Xavier, mas falha. Agora terá que enfrentar Vampira e Wolverine.

Positivo/Negativo: A versão brasileira da revista Wolverine sempre foi de fases, teve as intragáveis, as ruins e agora está entrando numa aceitável, caminhando para o bom.

Foi interessante marcar essa guinada da qualidade com a excelente capa dupla de John Romita Jr. Vale esperar para ver se o título fica bom, mesmo depois que entrarem as novas séries no mix nos próximos meses.

Greg Rucka e Darick Robertson fecharam com chave de ouro seu trabalho em Wolverine. O desenhista foi o que mais impressionou, depois de um primeiro arco muito ruim, ele tirou umas edições de folga e voltou em boa forma. Conseguiu acabar o título por cima, mostrando um traço mais firme, constante, feito sobre uma narrativa visual de impacto.

Rucka também melhorou no último arco. Analisando os números anteriores, é possível sacar que ele queria desenvolver um raciocínio sobre a personalidade do herói; pena que no começo esse conceito ficou um tanto disperso. Seu grande trunfo foi reunir Logan, Creed e Nativa e comparar esses elementos que deveriam ser tão iguais, mas são totalmente distintos.

O final com Logan levando Nativa para receber os ritos finais de Noturno, para que ela morresse como um ser humano e não um animal foi uma grande sacada.

Millar começou a tecer sua trama em Wolverine. Pelo que mostra nesta história, vem aí muito suspense, ação e Logan lutando com alguém que é melhor do que ele no que ambos fazem.

O começo foi bom, resta esperar pelo que vem aí. Romita Jr., que assumiu como desenhista do título, é um velho conhecido dos leitores da Marvel, por sua longa jornada no Homem-Aranha e em outros títulos. Ele tem um estilo peculiar, que mescla o traço de super-heróis à agilidade e aos movimentos típicos do mangá.

O único problema é que, como todo desenhista, ele demora um pouco para se adaptar aos novos personagens. Por exemplo: no segundo quadro, na parte inferior da página 40, tirando o tapa-olho, Nick Fury é a cópia exata do Peter Parker que Romita costumava fazer. Ainda assim, as duas últimas páginas ficaram excelentes.

Frank Tieri não soube a hora de parar com Arma X. Apesar de a história desta edição com Creed caçando o Sr. Sinistro ter bons momentos, a revista já não é mais a mesma.

Isso sem falar que ele deixou um mistério aberto na edição de novembro e começou com uma história totalmente diferente sem motivo aparente. Quem ler o resumo dos números passados, não entenderá por que o personagem está ali, já que a trama não tem ligação direta com a anterior.

Tom Mandrake se mostra um desenhista mediano. Apesar do contorno de seus personagens ser bem feito, seu sombreamento carregado e um traço que muitas vezes parece relutante estragam a arte. Certas imagens parecem ter o mesmo tipo de sombra usado nos rostos de presidentes nas notas de dólares americanos.

Outra falha grave dele é que para quem tem um traço como o dele, inserir um detalhe feito digitalmente destoa tanto do resto da imagem, que parece ser um relaxo do artista. Pode-se ver isso nas cartas na mão de Creed, no final da página 52, e no cenário na parte superior direita da página 67.

Mística é outro título que passou da sua hora. Felizmente, só falta mais uma edição. Continua um título de ação com um desenho razoável, mas até as idéias para utilização dos poderes da personagem estão escasseando. Nesta edição, ela afina seu corpo e o espalha de forma a cair suavemente como uma folha de papel ao vento.

 

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.