WOLVERINE # 21

Por Zé Oliboni
Data: 1 dezembro, 2006


Título: WOLVERINE # 21 (Panini
Comics
) – Revista mensal
Autores:Wolverine – Mark Millar (roteiro) e John Romita Jr. (desenho);

Arma X – Dias de um futuro Presente – Frank Tieri (roteiro) e Andy Smith (desenho);

Cable & Deadpool – Fabian Nicieza (roteiro) e Patrick Zircher (desenhos).

Preço: R$ 6,90

Número de páginas: 96

Data de lançamento: Agosto de 2006

Sinopse: Wolverine – Depois de enfrentar um antigo colega, Wolverine vai à raiz do problema e ataca o Tentáculo com um apoio muito inusitado.

Arma X – Dias de um Futuro Presente – Conheça os X-Men de Logan e descubra o que aconteceu na Terra do Nunca.

Cable & Deadpool – Cable continua com seu plano de se tornar o salvador da Terra, mas isso fica meio difícil tendo Deadpool a tiracolo.

Positivo/Negativo: Millar é impressionante. Ele usa tudo à sua disposição e transforma uma história que poderia ser absurda e batida em algo empolgante. Para isso, basta dar cenas em que John Romita Jr. vai se sair bem, colocar meia dúzia de diálogos engraçados e ditar o ritmo certo para a narrativa.

Com isso, o autor consegue algo que deixa qualquer fã marmanjo envergonhando de confessar: ele faz o leitor se empolgar, e muito, com duas histórias em que, basicamente, Logan mata um monte de gente. Na primeira, com a ajuda de um sentinela, ele detona todos os superseres que o Tentáculo dominou e, na outra, com o auxílio de Elektra, invade o covil da organização criminosa e liquida todos os ninjas.

A única ressalva fica para a última página da segunda aventura, na qual o desenhista, provavelmente cansado, fez um Wolverine com uma cara muito estranha.

Arma X – Dias de um Futuro Presente mostra que muitas vezes uma história fica melhor sem um final do que com um desfecho tão confuso e complicado como o apresentado. Além de contar o que aconteceu com a Terra do Nunca e o misterioso Agente 0, esta edição passa um bom tempo com o Logan reunindo uma equipe de X-Men para serem dizimados em uma página apenas.

Até o momento, tudo que esta minissérie tem mostrado é o Diretor Colcord eliminando todos os seus desafetos.

Se a série anterior é sem propósito, Cable & Deadpool não tem classificação. De um lado, Cable exibe muito mais poder do que sempre teve, capaz de praticamente tudo e agindo como um Messias. Do outro, Deadpool, um personagem que pouco tem a ver com a história e que, apesar de ter uma ou outra piada razoável, não combina com a trama. Se bem que neste título nada combina com nada.

Ao menos o desenho é mediano e torna a leitura menos desagradável.

 

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.