WOLVERINE # 6

Por Zé Oliboni
Data: 1 dezembro, 2005


Título: WOLVERINE # 6 (Panini
Comics
) – Revista mensal

Autores: Wolverine – Greg Rucka (roteiro) e Leandro Fernandez
(arte);
Mística – Sean Mackeever (roteiro) e Manuel Garcia (arte);

Emma Frost – Karl Bollers (roteiro) e Carlo Pagulayan (arte);

Arma X – Frank Tieri (argumento) e Jeff Johson (desenhos).

Preço: R$ 6,90

Número de páginas: 96

Data de lançamento: Maio de 2005

Sinopse: Wolverine irá aonde for preciso para acertar as contas com Rojas.

Arma X – Um novo grupo se levanta contra o programa.

Mística precisará de todos os seus truques para escapar da DermaFree.

Emma Frost continua aperfeiçoando suas habilidades de enganar os outros para salvar Troy.

Positivo/Negativo: A revista aos poucos está encontrando seu caminho como título de ação e se firmando como um entretenimento mensal. Mas não “caia de cabeça”, pois ela continua rasa como um pires, assim como foram as edições que a precederam.

Uma grande vantagem da publicação é trazer em todos os títulos do seu mix o resumo do que está acontecendo, ajudando a situar o leitor eventual.

Wolverine segue o tom de aventura e violência, mas deixa o conflito para o próximo mês. O desenho de Leandro Fernandez continua bom e sua narrativa visual melhorou, explorando mais formas diferentes de aproveitar as páginas.

Desde que o Diretor do Programa Arma X foi derrubado, a trama tem vagado sem muito sentido. Esta edição não é exceção. Ela abre mais uma subtrama, trazendo de volta a Nação Gene sob o comando de Medula, e deixa diversos acontecimentos paralelos em aberto.

Talvez o encerramento do arco seja interessante, mas até lá o leitor fica um bocado prejudicado. O desenhista da série, apesar de bom, tem a peculiaridade de descaracterizar demais alguns personagens, como tinha feito com Wolverine e agora com Medula.

Emma Frost é o único título que não deveria estar na revista. Não tem tanta ação quanto os outros e sua trama está mais para um romance do que aventura. É verdade que ele dá uma certa equilibrada na qualidade do mix, mas desagrada os leitores que buscam ação, como nas outras séries.

Mística mantêm sua fórmula de aventura, mistério e mostrar a extensão dos poderes da mutante. O desenho continua bom para a história, mas inovar um pouco na distribuição dos quadros nas páginas não iria matar Manuel Garcia e poderia melhorar o fluxo da sua ação.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.