X-23 # 1

Por Zé Oliboni
Data: 1 dezembro, 2006


Título: X-23 # 1 (Panini
Comics
) – Minissérie em três edições mensais
Autores: Craig Kyle e Christopher Yost (roteiro) e Billy Tan (desenhos).

Preço: R$ 5,50

Número de páginas: 48

Data de lançamento: Maio de 2006

Sinopse: Ela fez sua explosiva estréia nas páginas de X-Men, mas nada se sabe sobre seu enigmático passado.

Quem é a jovem conhecida apenas pelo codinome X-23? De onde ela veio? Como conseguiu suas mortíferas garras de adamantium? Qual sua ligação com Wolverine e o Programa Arma X?

Positivo/Negativo: Este é mais um exemplo de outras mídias influenciando os quadrinhos. X-23 surgiu no desenho X-Men Evolution e foi um sucesso protagonizando dois episódios, inclusive tendo um confronto bacana com Wolverine. De olho nos fãs da animação, a Marvel levou a personagem para as HQs.

Assim, com essa popularidade adquirida e a aparição da personagem em X-Men # 51, não é de se estranhar que o material tenha sido lançado no Brasil como uma edição especial e que venda bem.

Contudo, os leitores certamente se decepcionarão. Não pela história, mas por não terem a oportunidade de ler o material na ordem certa e, conseqüentemente, entender a história. Por um gravíssimo descuido da editora, várias páginas da revista estão fora de ordem.

Não é à toa que a história parece sem pé nem cabeça e fica indo e voltando no tempo. Parte das páginas da segunda história ficou no meio da primeira e algumas da primeira também estão fora da ordem correta.

Como a revista não possui numeração de páginas, muitos leitores provavelmente atribuam isso a uma péssima história ou um recurso narrativo que não funcionou bem.

A editora não divulgou nenhum comunicado oficial ou aviso, mesmo que discreto, em seu site. Erros de gráfica acontecem, a própria Panini já teve alguns. Por exemplo: uma edição de Marvel Max ficou sem a última página de uma história, mas a editora a disponibilizou na internet e publicou-a no número seguinte, reparando o dano.

O caso desta edição é bem mais grave, e a Panini já deveria ter se mobilizado para avisar os leitores e dizer quando novas revistas estarão disponíveis para troca – se é que isso acontecerá.

Então, se você já comprou a revista, reclame; se não comprou, aguarde para saber se haverá a distribuição de uma versão correta.

Fazendo uma análise superficial do texto, já que é impossível comentar uma história nesse estado lamentável, vê-se que o roteiro tem algumas boas idéias e outras soluções um tanto forçadas.

Fazer um clone do Wolverine, por exemplo, é interessante. Afinal, ele é a máquina de matar perfeita. A justificativa de a “cópia” ser uma mulher também ficou boa, assim como a escolha dos personagens.

Destaque para os principais coadjuvantes: um cientista frio e vingativo que deseja continuar o trabalho do seu pai assassinado por Logan, enquanto este fugia da Arma X, e uma cientista que passa a enxergar X-23 como uma filha, se arrependendo de tê-la criado para ter uma vida tão fria e cruel.

Ao mesmo tempo, a HQ traz coisas como a cena com a bebê nascendo já com as duas garras saindo, o que não faz sentido algum, pois mais à frente fazem um tratamento para agilizar a mutação e o desenvolvimento das garras!

O desenho não salva a história, mas também não estraga. Segue um traço tradicional americano e tenta ser um pouco mais sintético, com algumas linhas rápidas e uma certa influência do mangá. É funcional para a trama, tanto nas cenas de ação quanto nas paradas. Apesar disso, em algumas passagens é “sujo” e apresenta eventuais desproporções.

 

Classificação:

• Outros artigos escritos por

.

.

.