X-MEN # 12

Por Rodrigo L. Monteiro
Data: 1 dezembro, 2001

X-Men #12Título: X-MEN # 12 (Editora Abril) – Mensal

Autores: X-Men – Alan Davis & Terry Kavanagh (textos), Tom Raney, Brett Booth & Tom Raney (lápis), Scott Hanna & Sal Regla (nanquim), Brian Haberlin & Hi-Fi Design (cores); Wolverine – Erik Larsen (texto), Grahan Nolan (lápis), Jimmy Palmiotti (nanquim), Marie Javins (cores);
Cable – Joe Pruett & John F. Moore (textos), Juan Santacruz, Michael Ryan, Tommy L. Edwards, Mike Miller, Anthony Williams & Chris Renaud (lápis); Andrew Pepoy, Al Williamson, Holdredge, Mei, Candelario, Collazo, Palmiotti & Scott Koblish (nanquim), Gloria Vasquez, Marie Javins & Kevin Tisley (cores);
Bishop – Joseph Harris (texto), Georges Jeanty (lápis), Art Thibert & Allen Martinez (nanquim), Jason Wright (cores);
X-Men: Anos Incríveis – John Byrne (texto e lápis), Tom Palmer & Joe Sinnott (nanquim), Gregory Wright (cores).

Preço: R$ 9,90

Data de lançamento: Julho de 2001

Sinopse: Os X-Men ainda se recuperam das conseqüências da Saga dos 12, cada um à sua maneira. Enquanto a maior parte da equipe permanece na mansão e tenta se divertir, Nate Grey vai em busca de conselhos com Jean, afastada da equipe; e Fera e Homem de Gelo vão a Genosha, onde Magneto e Polaris tentam conter a guerra civil, para tentar encontrar uma cura para o Vírus Legado.

Quando as coisas na Mansão X parecem querer se acalmar, surge o Alto Evolucionário, que, através da liberação de um campo energético, neutraliza os poderes de todos os mutantes da Terra. Mal sabia ele que era manipulado por um dos mais perigosos inimigos dos X-Men.

A perda dos poderes é recebida das mais diversas maneiras. Para mutantes como Medula, Blob e Colossus é uma dádiva, pois permite que eles possam tentar levar uma vida como humanos normais, o mesmo valendo para Vampira, Anjo e Psylocke. Para mutantes como Noturno e Tempestade, no entanto, a sensação é estranha, pois parece que lhes falta algo. Para Wolverine, a falta de seus poderes é praticamente fatal.

Wolverine está morrendo lentamente de contaminação por Adamantium. Quando o Alto Evolucionário retirou seus poderes, o fator de cura, que permitia que o metal interagisse sem problemas com os ossos do mutante, começa a afetá-lo. Para piorar a situação, ele se envolve num confronto com o mutante conhecido como O Reanimador, e só sobrevive graças à intervenção de Nova e dos Novos Guerreiros – e indiretamente do Alto Evolucionário. Mas, até quando?

Cable volta para casa e, enquanto Blaquesmith lhe dá uma esperança de cura para o vírus tecno-orgânico que o domina, ele decide revelar mais de seu passado para Stacey e terminar o relacionamento com ela. Então, o campo energético do Alto Evolucionário o atinge.

Mesmo sem poderes, os X-Men decidem ir até o refúgio espacial do Alto Evolucionário para confrontar o cientista, objetivando que ele neutralize o campo energético. Lá, acabam confrontando um de seus piores inimigos.

Bishop e seu bando são capturados pelos Kith, e tentam encontrar uma solução pacífica para que as criaturas não mais ameacem a cidade de Dunduine. Há um confronto e os vilões decidem empreender um último e devastador ataque. No entanto, graças a um reforço inesperado, a batalha pode virar para o lado dos mutantes.

Lorna Dane e Destrutor ainda passeiam pela Terra Selvagem quando, acidentalmente, topam com o Homem de Gelo. O Anjo e sua companheira alada são vendidos para o misterioso Krueeger, enquanto os X-Men originais e o Quarteto Fantástico vão ao espaço enfrentar a raça dos alienígenas Znoxx.

Positivo/Negativo: A premissa da história do Alto Evolucionário é legal, porque mostra as diversas reações dos mutantes ao perderem seus poderes. Alguns se sentem aliviadas, outros, violentados. A idéia é boa e o texto, se não enche os olhos, pelo menos não ofende a inteligência do leitor.

Erik Larsen abusa um pouco quando coloca Wolverine indo comer no Marvel Burguer (?), sendo Nova o atendente da lanchonete.

A aventura de Cable é mais uma daquelas “chove não molha”, apesar da presença de alguns plots para futuras seqüências. Já Bishop e os Anos Incríveis, mantêm o mesmo nível dos meses anteriores.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.